FingerFingerrr estreia com o disco Mar, mixado por Mario Caldato Jr. e produzido por Fernando Sanches (CPM 22)

"O mar do FingerFingerrr é vermelho, agressivo e intergaláctico", define Ricardo Cifas

Gabriel Nunes Publicado em 05/08/2016, às 17h13 - Atualizado às 17h57

“O fato de ser uma banda constituída por apenas duas pessoas faz com que nós nos desdobremos mais como músicos”, afirma Cifas

Ver Galeria
(2 imagens)

Por Gabriel Nunes

Bruto e dançante. Dois adjetivos que às vezes podem soar conflitantes, mas que se complementam pontualmente no disco Mar (2016), primeiro registro em estúdio com a formação atual do FingerFingerrr.

Constituído originalmente por quatro integrantes, o grupo ganhou nova roupagem e ficou mais enxuto com o tempo. Atualmente, lideram a banda Flavio Juliano e Ricardo Cifas, que juntos mesclam a sonoridade enérgica do Death From Above 1979 aos elementos sintéticos amplamente utilizados por nomes como LCD Soundsystem e Beck.

“O fato de ser uma banda constituída por apenas duas pessoas faz com que nós nos desdobremos mais como músicos”, afirma Cifas em entrevista à Rolling Stone Brasil. “Gravar Mar foi um desafio musical, uma tentativa de suprir a ausência de outros músicos no grupo. Nosso som é cru, mas ao mesmo tempo ele tem um ‘corpo’ que reveste essa crueza.”

Gravado no estúdio El Rocha, na capital paulista, Mar traz o peso de três anos de estrada, com expedições pelo Brasil e pelos Estados Unidos. “Algumas músicas nós já tocávamos ao vivo antes de gravá-las para o disco”, declara Juliano. No entanto, a dupla traz algumas peças inéditas, como é o caso da faixa “Embora Agora”, que tem a participação de André Whoong no baixo. “Antes mesmo de começarmos a produzir o álbum, o Cifas deu a ideia de criar e gravar essa música na hora, na base do improviso mesmo.”

O disco de estreia do FingerFingerrr conta ainda com produção de Fernando Sanches (CPM 22) e mixagem de Mario Caldato Jr., que já trabalhou anteriormente com gente do calibre de Björk, Beastie Boys, Nação Zumbi e Planet Hemp. Dr. Herman e Luiza Lian fazem participações no álbum – esta empresta a voz na faixa “X”, estabelecendo um contraponto aos timbres metálicos e ásperos da canção.

“Sempre gostei muito do trabalho dela”, declara Cifas. “Ela tem uma postura que admiramos pra caralho. A Luiza parece frágil, mas ela é uma mulher muito forte. Ela entendeu o que a gente queria na música: algo marcante, feminino e sexy.”

Ouça abaixo “X”.

A escolha do substantivo concreto “Mar” – que costumeiramente nos remete à contemplação e a certo marasmo – para nomear o primeiro álbum do duo pode soar inusitadamente fora de contexto quando comparado ao teor incisivo e pungente das canções. Contudo, Cifas explica que a escolha não foi arbitrária. “Nós quisemos dar um novo significado a essa palavra. Sabe, quando pensamos em mar, já nos vem à cabeça algo como uma praia, um violão, bossa nova, e toda aquela monotonia. O mar do FingerFingerrr é o oposto disso tudo: ele é vermelho, agressivo e intergaláctico.”