Linkin Park nega ter “dedurado” o Sublime with Rome por uso de maconha em festival

O vocalista Rome Ramirez foi ao Twitter reclamar que a banda californiana orientou os policiais a ir ao camarim do Sublime

Redação Publicado em 28/05/2014, às 16h06 - Atualizado às 16h27

Linkin Park encontrou um público devoto, mas exigente, e decidiu fazer apresentação contida que agradou os fãs
Rafael Koch Rossi / Divulgação

Por meio de um comunicado, o Linkin Park negou as acusações de que os integrantes do grupo haviam “dedurado” o uso de maconha por membros de outra banda, o Sublime with Rome, durante o festival KFMA Day, em Tucson, Arizona. O vocalista do Sublime, Rome Ramirez , reclamou pelo Twitter que o Linkin Park havia orientado a polícia a ir atrás dos músicos em busca da droga enquanto eles estavam no palco.

“As acusações de Rome Ramirez são 100% falsas. Ninguém do Linkin Park disse nada à polícia ou a qualquer uma das autoridades responsáveis pelas atividades que aconteceram no camarim do Sublime”, diz o comunicado. O guitarrista do LP, Mike Shinoda, também foi ao Twitter para falar do acontecimento, escrevendo que ele e os outros integrantes estavam em um encontro com os fãs quando o Sublime estava no palco.

Galeria: Vocalista do Sublime with Rome mostra versões acústicas e fala sobre a nova fase da banda.

Ele continuou: “Nem saberíamos se tinha alguém fumando... [mas] se havia alguém ‘representando a banda’ para a polícia no local, falando sobre a maconha, essa pessoa estava errada... mal entendido, isso acontece”. Veja abaixo:

Os tuítes e o comunicado vieram em resposta às postagens de Ramirez, no último sábado, 24. Ele escreveu: “O Linkin Park chamou a polícia para nos pegar e disse que eles eram alérgicos a maconha”. “Os policiais vieram e levaram toda nossa maconha enquanto estávamos no palco. Puta merda.”

A polícia não registrou a prisão de ninguém no evento, e o vocalista do Sublime segue chamando os integrantes do Linkin Park de “dedo-duro” no Twitter. No boletim policial, reproduzido pelo TMZ, as autoridades afirmam que um membro do Linkin Park fez a denúncia porque era alérgico à droga. Não é certo, porém, se esse “membro” era realmente alguém da banda californiana.