É sempre muito bom celebrar Djavan. Vamos nessa?

Redação Publicado em 30/01/2013, às 21h15 - Atualizado às 21h24

Djavan
Divulgação / Christian Gual

Por Cláudia Boëchat

Djavan acaba de completar 64 anos. Para celebrar, separei dez canções pra gente se deleitar. A começar por “Vive”, gravada no último CD de Maria Bethânia. Não me canso de ouvi-la!

“Vive”:

Outra, tão especial quanto, é “Melodia Sentimental”. Esta não é obra de Djavan e sim de Villa-Lobos. Integra “A Floresta do Amazonas”, um poema sinfônico. Mas a interpretação de Djavan para essa música – que ganhou uma letra belíssima de Dora Vasconcellos – é ímpar e, por isso, entra nessa lista.

“Melodia Sentimental”:

Também não podia faltar “Fato Consumado”, música de sua autoria que o tornou nacionalmente famoso. A canção conquistou o segundo lugar no Festival Abertura, da TV Globo, em 1975. Uma delícia!

“Fato Consumado”:

Há duas outras músicas compostas por Djavan que já "grudaram" na boca do povo. Quem nunca cantarolou “Flor de Liz” e “Sina”?

“Flor de Liz”, Al Jarreau:

“Sina”, com Caetano Veloso:

“Faltando Um Pedaço” e “Nobreza” são lindos poemas e me trazem gostosas recordações. A vocês também? Vale escutá-las com muita atenção.

“Faltando Um Pedaço”:

“Nobreza”:

E falando em capim (na letra de “Nobreza”), vamos ouvir uma música contagiante que tem esse mesmo nome. Música de letra meio complicada de decorar, mas que depois que a gente aprende não para de cantar:

“Capim”, com Cesar Camargo Mariano:

O assunto é sério, mas como o astral é altíssimo entre esses três, demora um pouquinho para conseguirem a concentração necessária para cantar mais essa obra-prima de Djavan:

“Nuvem Negra”, com Chico Buarque e Gal Costa:

Djavan é um cara alegre e alegria tem nome na MPB: Mart’nália. Ele produziu o último disco dela, mas o entrosamento entre os dois vem de longe:

“Celeuma”, com Mart’nália:

Gostaram? Parabéns para ele e felicidade para nós!

Para falar com Cláudia Boëchat envie e-mail para claudia.boechat@rollingstone.com.br