Blog Sobe o Som

postado: 20 de Nov. de 2015 às 17:33

Conheça Real, psicodélico disco de estreia de Frabin

  • Imprimir

Por Lucas Brêda

O crescimento de bandas como o Tame Impala e compositores como Mac DeMarco vem começando a influenciar uma geração de músicos mundo a fora. Exemplo disso é o paraense radicado em Santa Catarina Victor Fabri, cujas guitarras e teclados recheados de efeito não negam a inspiração nas sonoridades viajadas vindas do exterior.

Sobe o Som: 10 novos artistas nacionais que você deve conhecer.

O primeiro álbum de inéditas de Fabri – que, artisticamente, assina como Frabin – sai esta sexta-feira, 20, pelos selos Balaclava e Midsummer Madness, e revelado com exclusividade no Sobe o Som, da Rolling Stone Brasil. O disco chama-se Real (“Queria que fosse algo tanto em inglês quanto em português”, explica o músico) e traz 12 faixas cantadas nas duas línguas, com Frabin cuidando de todos os instrumentos na gravação.

“Era meu aniversário, e eu falei para o meu pai que eu queria isso, gravar em casa”, conta Frabin sobre a ocasião entre o fim de 2013 e o início de 2014 em que surgiu a ideia do projeto solo dele. “Meu pai me deu uma ajuda em dinheiro para um comprar as paradas, microfones e tudo mais”. Ele montou o estúdio caseiro e começou a transformar as ideias musicais e riffs em canções, sozinho.

Mais no SoS: Mohandas emerge em sonoridades eletrônicas em novo disco

As bases tanto do EP de estreia dele, Selfish (2014), quanto de Real são os arquivos do programa Guitar Pro – o qual Frabin usa para compor – produzidos pelo músico ao longo dos últimos meses. “Peguei os que eu mais gostei e desenvolvi para o EP”, conta ele. “Sou meio egoísta, gosto de fazer as coisas sozinho. Fiz assim porque quero ter controle de tudo.”

Frabin não apenas compôs, como gravou, editou e fez a arte da capa praticamente tudo por conta própria. Ele só obteve ajuda externa quando decidiu polir melhor a sonoridade do disco, especialmente devido às experiências com Selfish. “Por mais que eu goste [do som do EP], não cheguei ao timbre que eu queria”, admite.

Dingo Bells toca “Funcionário do Mês” em versão intimista

Por isso, Frabin contou com auxílio na mixagem nos estúdios Pimenta do Reino, de Florianópolis, e com a masterização de Rob Grant – venerado nos últimos anos no universo psicodélico por ter trabalhado na produção de Innerspeaker, disco de estreia do Tame Impala – no estúdio Poon's Head na Austrália. “Não é o 100%, a sonoridade dos sonhos, mas foi uns 90%”, diz Frabin, simultaneamente exigente e orgulhoso.

Além das influências supracitadas, Real bebe na fonte do dream pop e do shoegaze norte-americano, além de soar pop e anos 1980 em algumas faixas (“Bad Vibes” é um exemplo). Quando canta em português, Frabin se aproxima esteticamente dos conterrâneos – e “companheiros” de Balaclava Records – Terno Rei, Quarto Negro e Câmera, apesar de ter uma abordagem mais processada e digital.

10 discos psicodélicos lançados em 2015 que você deve ouvir.

“É o que eu quero fazer da minha vida – por mais que seja difícil”, assume o paraense de 21 anos de idade, a fim de dar sequência à carreira musical. Com Real finalmente lançado, ele pretende montar um show (por terem sido feitas individualmente, as canções nunca haviam sido reproduzidas ao vivo) e rodar o quanto for possível. “Quero focar bastante nisso”, diz. Ele já tem shows marcados em Curitiba (27 deste mês), São Paulo (28) e Sorocaba (29).

Abaixo, conheça Real, a estreia em disco de Frabin