Blog Sobe o Som

postado: 20 de Maio de 2015 às 16:02

Dom La Nena mostra vida de viajante no clipe cosmopolita de “Vivo Na Maré”

  • Imprimir
Dom La Nena
Jeremiah/Divulgação

por Lucas Brêda

“Eu não tenho casa, não”, canta Dom La Nena em “Vivo Na Maré”. O refrão da faixa, segunda do disco Soyo, lançado pela cantora este ano, é praticamente a síntese da proposta artística de La Nena em seu segundo trabalho da carreira. Este sentimento cosmopolita é capturado no clipe de “Vivo Na Maré”, lançado no Sobe o Som – espaço da Rolling Stone Brasil dedicado à música alternativa.

Mais no SoS: The Baggios comemora 10 anos de blues com CD/DVD ao vivo e documentário

“Foi um período, para mim, de nomadismo absoluto”, lembra La Nena, citando o intervalo de três anos em que compôs as músicas de Soyo. “Como passava a maioria do meu tempo em turnê, e estava com desejo e necessidade muito grande de movimento, eu e meu marido resolvemos ter a liberdade de não ter um lugar fixo para morar.”

O marido da cantora é Jeremiah, produtor de vídeos francês que já trabalhou em clipes de bandas como o R.E.M., algumas edições da famosa série Take Away Shows, além de assinar o vídeo de “Vivo Na Maré”. Segundo a cantora, as imagens que compõem o clipe são “quase documentais”, e feitas por Jeremiah (em diversas vezes com câmeras do tipo Super8) durante as viagens do casal.

Eddie volta mais punk em novo disco Morte e Vida

“Em alguns momentos eu tinha realmente a sensação de viver na maré, sentindo que, às vezes, as coisas terminavam por acontecer de maneira um pouco imprevisível”, argumenta La Nena. Como grande parte de Soyo – a exemplo de seu título e faixa de abertura, “La Nena Soy Yo” –, “Vivo Na Maré” é uma busca da artista por uma identidade, em meio a uma mistura grande de idiomas (são quatro no disco) e lugares.

“As faixas do álbum surgiram em contextos, situações, épocas e continentes totalmente diferentes”, conta, referindo-se ao período pós-lançamento de Ela (primeira disco dela), com viagens e turnês. “Vieram depois dessa experiência, depois de todos os shows que fiz – uma centena – sozinha no palco e descobrindo, show após show, um pouco mais das músicas, do público, e de mim mesma.”

Ouça Amor Violento, segundo disco do Quarto Negro

Em Soyo, Dom La Nena canta em português, francês, espanhol e inglês e conta com a ajuda do ex-Los Hermanos Marcelo Camelo, que além de produzir, tocou praticamente metade dos instrumentos e fez backing vocals no álbum.

“Ele foi de uma dedicação extrema com o disco”, comenta. “Botou todo seu talento e generosidade, mas ao mesmo tempo sempre soube respeitar meu espaço, minha identidade, indo sempre no sentido de deixar o disco com a minha cara.”

Assista abaixo ao clipe de “Vivo Na Maré”, de Dom La Nena

Com uma agenda internacional agitada, La Nena vai achar um espaço na vida de viajante para se apresentar no Rio de Janeiro, em 2 de junho. O show acontecerá no Oi Futuro Ipanema, entre uma apresentação na Bélgica e outra na Argentina.

Dingo Bells divaga sobre contemporaneidade em disco de estreia; ouça

Ouça também Soyo, segundo álbum da cantora.