Exclusivo: iniciando turnê no Brasil, Selton comenta novo disco e lança clipe de “Junto Separado”

Assista com exclusividade ao vídeo da faixa de Loreto Paradiso, dirigido por Francesco Imperato

Lucas Brêda Publicado em 06/04/2016, às 15h13 - Atualizado às 15h27

O quarteto ítalo-brasileiro Selton

Ver Galeria
(2 imagens)

Por Lucas Brêda

Grupo ítalo-brasileiro, o Selton acaba de lançar o terceiro disco da carreira, chamado Loreto Paradiso. Residente em Milão, o quarteto prepara uma turnê de quatro shows pelo Brasil, a começar no próximo fim de semana e, nesta quarta, 6, eles revelam um novo clipe do álbum, para faixa “Junto Separado” (abaixo).

O vídeo foi gravado em agosto do ano passado, nas redondezas de uma casa de praia na qual o Selton ficou hospedado no litoral sul do Rio de Grande do Sul. “Não tínhamos uma ideia muito clara do que fazer, fomos gravando...”, conta o vocalista e guitarrista, Ramiro Levy. O conceito do clipe, contudo, foi desenvolvido pelo diretor, o italiano – e frequente colaborador do Selton – Francesco Imperato. “Ele falou o que ele imaginava e fomos criando meio juntos na hora.“

O registro visual de “Junto Separado” traz integrantes da banda em diferentes cenários – boiando em uma piscina, sentado em uma cadeira de sol, andando no meio da rua –, entoando a letra da música. O vídeo incorpora a abordagem desconstruída e a atmosfera de inércia da canção, enquanto eles cantam: “Ai fica jogado no chão do quarto, sozinho, de noite, comendo pizza, no YouTube, pensando na vida, tentando chorar.”

“Não acho que seja uma música pessimista”, comenta Levy sobre o conceito de “Junto Separado” (que pode se estender a outra faixa do álbum, “Feliz Ano Velho”, da letra: “Feliz ano velho, bom ano passado/ Quem sabe eu desejo, que dê tudo errado/ Que não se realize/ Nada demais, além do esperado”). “Elas vão direto a uma problemática – isso sim”.

Levy acrescenta: “‘Junto Separado’ tem um pouco da tomada de consciência da quantidade de estímulos e coisas que a gente vive ao mesmo tempo, e acaba não dando atenção àquilo que importa. O fato de falar das mídias sociais, de ficar jogado na frente do YouTube, traz isso: temos acesso a tanta informação que acabamos nos esquecendo do contato real. Entregamo-nos demais a essa ‘vida virtual’.”

Além de discutir os conceitos de distância – física e psicológica –, “Junto Separado” é uma amostra de um novo caminho temático seguido pelo Selton. “Uma das preocupações desse disco foi realmente dizer as coisas, tocar na ferida”, confessa o guitarrista. “A música ‘Cemitério de Elefantes’, por exemplo, fala de alguém que não se dá conta que está crescendo, enquanto as expectativas que ele tinha não estão se confirmando.”

Conheça o clipe de “Junto Separado” abaixo

Mas não apenas nas letras o Selton evoluiu de Saudade (2013) para Loreto Paradiso: o quarteto priorizou a desconstrução e a busca por uma maior autenticidade, deixando de lado veia Beatles e a celebração que marcaram os trabalhos anteriores. “Desde quando tocávamos na rua, nós tocávamos Beatles. Então aprendemos a ser uma banda tocando Beatles”, diz Levy. “E justamente por ter essa influência tão intrínseca, nós buscamos colocar ‘outra veste’ nisso.”

“Junto Separado”, com trechos misteriosos, vocais soturnos e uma batida “torta”, é uma das canções em que as mudanças ficam mais claras. “Neste disco, buscamos novas estruturas, dar espaço para partes mais instrumentais, ir atrás de algum groove”, segue Levy, lembrando que o processo de recriar o clássico disco do Beach Boys, Pet Sounds, para shows especiais na Itália, foi de grande influência para o álbum. “Era meio que misturar essa veia de Beatles com outras influências completamente diferentes.”

Com músicas nas três línguas faladas pelos integrantes – inglês, português e italiano –, Loreto Paradiso foi um “disco itinerante”, gravado no Brasil, Itália e Londres, com produção do milanês Tommaso Colliva. “O processo foi bem longo”, explica Levy. “Mas precisava ser mesmo. Estávamos buscando uma estética muito peculiar e, no início, nem nós sabíamos exatamente o que era. Foi um disco muito vivido – e isso se sento nas músicas.”

É possível perceber o caráter itinerante de Loreto Paradiso principalmente na faixa “Duty Free Romance”, baseada na história real de uma paixão surgida em um aeroporto, entre um voo e outro. “Essa música fala muito disso, do movimento, e de como um sentimento pode ser super intenso e desaparecer por conta de uma distância física – algo que é muito recorrente para a gente.”

Surgido como uma banda de rua e depois de três discos de inéditas lançados, o Selton já completa mais de uma década em atividade. E, segundo Levy, desde que o quarteto trocou as calçadas pelos palcos, há um sentimento que ainda não foi contemplado. “Tentamos causar no nosso público a mesma coisa que causávamos quando tocávamos na rua”, diz ele. “Era muito especial. Quando fizemos a transição, foi muito difícil achar aquela sintonia. E acho que, agora, cada vez mais, estamos nos reaproximando daquela essência – de comunicar, de emocionar, de chegar nas pessoas.”

O Selton toca em quatro cidades brasileiras este mês, a partir deste fim de semana. Veja as datas abaixo.

Selton no Brasil

Rio de Janeiro

9 de abril (sábado), às 20h

Audio Rebel – Rua Visc. de Silva, 55, Botafogo

Ingressos: R$ 20 (à venda no local, na hora do show, ou antecipado pelo e-mail audiorebel@gmail.com)

São Paulo

10 de abril (domingo), às 19h

Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer – Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, Parque Ibirapuera

Ingressos: R$ 20 (há meia-entrada) neste endereço

Porto Alegre

20 de abril (quarta-feira), às 21h

Theatro São Pedro – Praça Mal. Deodoro, s/nº, Centro Histórico

Ingressos: R$ 35 (plateia), R$ 30 (camarote) e R$ 25 (galeria) neste endereço

Araraquara (SP)

22 de abril (sexta-feira), às 20h

SESC Araraquara - Rua Castro Alves, 1.315, Quitandinha

Entrada gratuita.