Edição 21 - Junho de 2008

NX Zero: Bons Moços

Como o politicamente correto NX Zero tornou-se a maior banda de rock popular brasileiro da atualidade
  • Imprimir
por Por Adriana Alves

O endereço é Avenida Brasil, sem número, complexo Poliesportivo Turcão, Vila Correia. Uma hora e quarenta minutos cruzando a cidade por marginais e rodovia e chego a um local ermo da Grande São Paulo. Ruas esburacadas, quase nenhum prédio, subidas e descidas intermináveis. Ali acontece a Festa da Uva, evento tradicional do município de Ferraz de Vasconcelos. Aproximadamente 40 mil pessoas aguardam um dos maiores acontecimentos do ano na cidade. Shows, roda-gigante. Uva de graça. Ouve-se um coro de vozes predominantemente femininas e adolescentes, quase infantis. Histéricas: "NX! NX! NX!". O vocalista Diego José Ferrero, o Di, 23 anos, o baterista Daniel Weksler, o Dani, 22, o baixista Conrado Lancerotti Grandino, o Caco, 22, e os guitarristas Leandro Franco da Rocha, o Gee, 21, e Filipe Duarte Pereira Ricardo, o Fi, 21, sobem no palco e a gritaria torna-se ensurdecedora. Crianças, milhares de adolescentes, pais, avós. É o hardcore melódico de família, feito por garotos de família, moldando - a contragosto de alguns e ao gosto de vários - a atual cara do rock popular brasileiro.

VEJA VÍDEO COM BASTIDORES DA FOTO DE CAPA

"Não sei como alguém consegue quebrar um camarim inteiro, que uma pessoa teve um puta trabalho pra fazer. Isso é uma desfeita pra pessoa, pô, a gente nunca... A tia do último camarim foi lá perguntar se a gente gostou e ficou toda feliz quando dissemos que gostamos", diz Filipe, decretando o fim de uma espécie de padrão de comportamento Axl Rose, para citar um artista de caminhada extremamente tortuosa, em que a atitude de uma banda de rock era proporcional ao número de encrencas que os músicos seriam capazes de arranjar e os excessos e loucuras cometidos dentro e fora dos palcos.

No universo do NX Zero, nem todos os roqueiros querem se rebelar contra o sistema, gritar seu ódio, dar um tiro na cara do governo. E a imposição do comportamento tradicional do roqueiro bem louco tem o mesmo cheiro de mofo que a expressão "bom e velho rock'n'roll". A razão fala alto no procedimento dos cinco rapazes, e a emoção não fica atrás. "A gente tem que tomar cuidado pra nunca endurecer o coração, quando isso de fazer muito show e ter muita gente em volta se torna uma rotina, você acaba caindo numa normalidade, não se comove, e isso não pode nem nunca vai acontecer comigo", jura Conrado.

A certa altura de suas existências, artistas inspiradores como Raul Seixas, Rita Lee, Cazuza ou Renato Russo fortaleceram a iconografia rock'n'roll demonstrando desejo autodestrutivo, entrega ao álcool, à cocaína, somados a um certo culto à decadência. Vira e mexe, Dinho Ouro Preto e Paulo Ricardo contam sobre como cheiraram suas carreiras artísticas e outras nem tanto.

Diretor artístico e produtor da banda, responsável por outros sucessos adolescentes como Charlie Brown Jr. e CPM 22, o presidente da Arsenal, selo e braço da gravadora Universal, Rick Bonadio, teoriza: a banda representa um modelo de conduta de bem com a vida. "O NX Zero hoje representa pra molecada a coragem de assumir os sentimentos, de amar, de sofrer por amor. E isso é algo desta geração, que gosta de rock e também gosta de outros tipos de música", explica. Leandro sintetiza: "A gente é tipo meio nerd. Às vezes pergunto pra eles: 'O que a gente vai contar? A Rita Lee contou que cheirou, avacalhou tudo e não sei o quê. E a gente vai contar o quê? Que terminou o GTA várias vezes?'", referindo-se a Grand Theft Auto, um dos games mais populares de todos os tempos, em que o jogador assume ares de criminoso. Eles dizem aprender com as bandas que se perdem nos excessos e, por isso, passam longe de problemas com drogas. Bebem pouco e evitam o álcool antes de subir ao palco. Pode ser que o futuro diga o contrário, mas até então o NX Zero é uma banda de bons moços.

Você lê esta matéria na íntegra na edição 21 da Rolling Stone Brasil, junho/2008

Recomendadas