Edição 05 - Fevereiro de 2007

Bolachas Recheadas

Selos, colecionadores e sebos ajudam a manter aceso o culto aos discos de vinil no Brasil
  • Imprimir
por Lia Amâncio

Apesar da queda pela metade na produção brasileira de discos em vinil nos últimos dois anos, aficionados pelo formato continuam movimentando o mercado com novos lançamentos. "Em fevereiro, temos três compactos indo para a fábrica: BNegão, Daniel Belleza & Os Corações em Fúria e Gabriel Thomaz + Móveis Coloniais de Acaju", conta o próprio Gabriel, dono do selo Gravadora Discos, que também lançou um single triplo do grupo DCV (com seis músicas e prensado em vinil colorido), além de um compacto de "O Pão Duro" gravado por seu projeto paralelo, Lafayette & Os Tremendões. As 500 cópias prensadas se esgotaram em dois meses, provando que a chamada "cultura do single" ainda encontra ecos analógicos nos dias de hoje. "Não vamos ficar milionários com isso, mas satisfeito a gente está", afirma Gabriel.

Como ele, fetichistas do país inteiro estão tirando as bolachinhas e bolachonas do limbo. O selo goiano Monstro Discos investe pesado no formato: já lançou Autoramas, Jupiter Maçã, Ratos de Porão (cujo Guerra Civil Canibal vendeu mais de mil cópias), além de splits com bandas estrangeiras. Entre os lançamentos em vinil engatilhados para este ano, estão o novo do Mundo Livre S/A e uma coletânea só com as bandas do selo. O preço dos compactos, amigável, fica em torno dos R$ 10. Já os long-plays saem por R$ 30, aproximadamente.

Os sebos contribuem para a resistência do vinil. O bairro carioca de Copacabana, que abriga a charmosa Clube do Vinil, festa dedicada unicamente ao som registrado em acetato, tem hoje mais lojas de vinil do que de CD. Uma rápida pesquisa pelo site Overmundo revela mais de 80
ocorrências para a palavra "vinil", muitas delas com dicas de sebos por todo o país, onde acontecem verdadeiros cultos aos discos de duas faces. Um destes sebos, o Vinyl Club (Curitiba), bancou o primeiro LP da banda Faichecleres, Indecente, Imoral & Sem-Vergonha. As 300 cópias produzidas se esgotaram em apenas três meses. "O público de rock é fiel ao vinil, e mantém dele a cultura que lhe é característica", analisa Luciana Carvalho, gerente geral da Polysom, única fábrica de discos em vinil em atividade no país.

Em comum, todos os aficionados possuem a paixão nostálgica pelo ritual de virar o disco na vitrola, curtir as ilustrações e fotos das capas, sentir o cheiro do pvc. Se perde em clareza de som para o CD, o disco em vinil difere positivamente por outros aspectos. É o caso de Cê, de Caetano Veloso, totalmente gravado em equipamentos analógicos. Justamente por nascer dentro dessa proposta, o disco mereceu uma edição em vinil. "Há também um lado estético no formato do LP que é imbatível. A capa no vinil é mesmo uma 'capa de disco'. Creio também que o vinil é uma paixão por existirem tantas edições de discos clássicos nesse formato, o que dá toda uma magia inestimável", explica Pedro Sá, que divide a produção de Cê com Moreno Veloso. "O LP de Cê é diferente, pois só contém dez das 12 faixas do CD. Essa diminuição leva a um melhor resultado sonoro e torna a audição do LP uma experiência totalmente diferente", confirma Moreno. "O traçado analógico é mais sólido, contém mais nuances e é mais espaçoso, porém mais ruidoso também. O traçado digital é mais quebradiço, contém menos matizes, mas é mais limpo. Infelizmente, esses formatos digitais inovadores estão na contramão da indústria fonográfica de hoje", lamenta.

Tão difundido nos últimos 15 anos pra cá, o formato digital tem se revelado motivo de dor de cabeça para a indústria, que agora precisa repensar cuidadosamente seus negócios para impedir falsificações perfeitas de seus produtos - possíveis no formato CD e, ao menos no Brasil, praticamente impossíveis no formato vinil - sem agredir os consumidores que pagaram para ouvir as músicas onde bem entenderem. Entretanto, se o formato CD é cada vez mais questionado, o vinil mantém um público cativo. Apesar de a indústria de aparelhos toca-discos analógicos estar praticamente extinta,
sempre há a esperança para os vinilófilos que a procura pelos discos gere uma nova demanda de aparelhos.

Recomendadas