Edição 112 - Dezembro de 2015

Com Muito a Dizer

Steve Angello lança Wild Youth, primeiro disco solo dele desde o fim do Swedish House Mafia
  • Imprimir
CARA NOVA
DIVULGAÇÃO
por LUCAS BORGES

É de steve angello a pergunta que abre a entrevista a respeito de Wild Youth, primeiro álbum solo do DJ desde o fim do supergrupo Swedish House Mafia, em 2013. “E aí, como está o Brasil?” Há oito anos vivendo em Los Angeles para fugir do frio, o grego radicado na Suécia sequer cogita a possibilidade de não apresentar o novo disco em solo brasileiro, onde tocou diversas vezes nos últimos 12 anos.

Mas o público do ícone da EDM deve se preparar: essa é uma nova fase na vida e na carreira do artista, conforme ele mesmo deixa claro. “Senti que precisava de um desafio no que diz respeito à criação musical. Por isso não queria continuar fazendo o que fazíamos no Swedish House.”

Wild Youth será dividido em dois capítulos de seis faixas cada (mais uma canção-bônus especial que estará na segunda porção). O primeiro foi lançado em 20 de novembro, sendo que o seguinte está previsto para 22 de janeiro de 2016. As partes contam histórias de diferentes períodos da vida do músico. “Acho que é um trabalho mais melancólico, mas profundo em questão de sons. Tem muita instrumentação ao vivo: baixos, guitarras, bateria, tudo ao vivo.”

“Cada canção tem ligação pessoal com a minha vida”, continua “É sobre se tornar um artista, enfrentar problemas, ter sucesso. Tem de tudo ali. É um disco triste e emocional. Existe muita dance music insana com o objetivo de criar um momento agradável, existem 10 mil dessas músicas. Eu queria servir a um propósito”, revela. “Se você [analisar o trabalho de] gente como Pink Floyd, Kraftwerk, The Prodigy, ou artistas mais populares, como Adele, tem sempre uma história. E eu sinto que ninguém na dance music está dizendo alguma coisa de verdade.”

O fã menos atento dificilmente perceberá tanta diferença no novo material do DJ. O conteúdo ainda é dançante e alegre como sempre foi ao lado do grupo que ajudou a consagrá-lo. Mas ainda há uma chance de sermos surpreendidos com a já citada 13ª faixa do trabalho, que tem sido guardada a sete chaves. “Estou trabalhando com um grupo de pessoas e queremos manter em segredo, porque é uma surpresa muito grande”, instiga ele, que garante que a espera valerá a pena, mas se recusa a dar qualquer pista.

Recomendadas