Edição 117 - Maio de 2016

Alta Expectativa

Após sucesso de O Som ao Redor, Kleber Mendonça Filho leva a Cannes o longa Aquarius, estrelado por Sonia Braga
  • Imprimir
Alta Expectativa
Victor Juca
por Christian Petermann

Depois do retorno positivo da crítica e da intensa premiação que marcou o seu primeiro longa-metragem de ficção, O Som ao Redor, o cineasta pernambucano Kleber Mendonça Filho testemunhará neste mês de maio a estreia mundial de seu segundo filme, Aquarius, como parte da seleção oficial competitiva no mais prestigiado festival de cinema do mundo, o de Cannes.

Mendonça Filho é bem íntimo" do evento:"Esta será a minha 18a ida a Cannes, mas é a primeira apenas como realizador. Desde 1999 frequento a Croisette [onde acontece o festival] como crítico de cinema e observador. Em 2005, até exibi o meu curta Vinil Verde na Quinzena dos
Realizadores, mas naquele ano também fiz cobertura jornalística. Desta vez, não: eu vou apenas como cineasta, e isto é fantástico!”

O filme marca o retorno ao cinema da atriz Sonia Braga. Ela interpreta Clara, uma escritora e jornalista aposentada, viúva, mãe de três filhos adultos. Clara mora no edifício Aquarius, o último de estilo antigo na beira-mar do bairro de Boa Viagem, no Recife. Dona de um apartamento repleto de discos e livros, ela enfrentará as investidas de uma construtora que pretende demolir o prédio para dar lugar a um novo empreendimento. É grande a expectativa em torno da presença dela no longa e o diretor é enfático ao descrever a relação com a atriz no set. “Foi totalmente incrível! O melhor que posso dizer é que Sonia, hoje, é uma grande amiga. Ela poderia ter rodado o filme e ido embora,mas,além de ter participado ativamente de toda a filmagem, deu para perceber que ali, na hora, não estava apenas a estrela, havia um ser humano por inteiro. Sonia agoa faz parte da minha vida.” Orgulhoso de competir ao lado de cineastas que muito admira, como o inglês Ken Loach, o espanhol Pedro Almodóvar, e em especial, o holandês com trânsito em Hollywood Paul Verhoeven, o brasileiro destaca ainda que seu novo trabalho “infelizmente reflete muito o que está acontecendo no Brasil hoje”. “Como comecei a escrever o roteiro há três anos e rodei no ano passado, há algo de intuitivo ao captar o estado de espírito do momento. De forma semelhante ao que acontece na política, as reações de quem já assistiu têm sido passionais.”

Resta ver a resposta que o filme terá em Cannes para determinar a estratégia de lançamento por aqui. Até o fechamento desta edição, estava definida apenas a estreia na França, em 28 de setembro.