Edição 119 - Julho de 2016

Punk Verde

JOÃO GORDO, VOCALISTA DO RATOS DE PORÃO, ALCANÇA NOVOS PÚBLICOS COM PROGRAMA DE ENTREVISTAS E CULINÁRIA VEGANA
  • Imprimir
por Bruna Veloso

Depois dos tempos como apresentador da MTV e uma passagem pelo programa Legendários, na rede Record, João Gordo resolveu aplicar a filosofia “Do It
Yourself” para além da banda da qual é vocalista, o Ratos de Porão. É com a mão na massa – e nos grãos, nas folhas, nos legumes – que ele comanda o programa de entrevistas e culinária Panelaço, no YouTube. “Estou mais famoso agora do que quando eu trabalhava na MTV. As pessoas têm muito mais acesso ao programa, em Portugal, na Argentina, por exemplo”, diz o músico. Gordo, figura seminal do punk feito na América Latina, agora segue caminho pioneiro em outra frente: a divulgação do veganismo, estilo de vida que abole produtos de origem animal em todas as frentes em que é possível, como alimentação, vestuário, produtos de higiene e cosméticos. “Quanto mais gente vir que o veganismo não é bicho de sete cabeças, que é uma coisa legal, melhor”, Gordo complementa.

NoPanelaço, gravado na cozinha da casa do artista, em São Paulo, só são preparados pratos veganos. Sempre com convidados – Mano Brown, Costanza Pascolato e Nasi foram alguns dos participantes dos mais de 100 episódios disponíveis no YouTube –, o projeto é, antes de tudo, voltado às entrevistas. Mas a ideia de mostrar a variedade da culinária sem ingredientes animais passou a chamar atenção. “As conversas são interessantes, e o negócio de trazer gente carnívora para comer também atiça a curiosidade das pessoas. Está escrito na cara quando o rango está bom, e quem assiste fica curioso”, acredita Gordo. Vivi Torrico, esposa e parceira nas iniciativas do marido, conta que o retorno social do Panelaço é intenso: uma família inteira do interior de São Paulo, inclusive, relatou a eles que graças aos
vídeos aderiu ao vegetarianismo.

Apesar dos bons frutos, ainda não dá para tirar uma verba substancial do Panelaço. “A gente tem 130 mil seguidores, não é muita coisa em comparação a um youtuber com 2 milhões de retardados babando o ovo. A diferença é que os nossos são fãs mesmo”, analisa Gordo. Há alguns meses, o programa ganhou um reforço com o patrocínio da marca de roupas Cavalera. Também foi Alberto Hiar, o Turco Loco, um dos fundadores da grife, que ajudou Gordo e Vivi a
chegarem ao conceito da loja Central Panelaço, no antológico bairro do Bixiga, na capital paulista. Inaugurado em dezembro de 2015, o espaço passou por um breve período de reformas e foi reaberto neste mês de julho.

“No começo, a gente pensou: ‘Vamos montar uma loja de discos linda’. Mas veio a crise, aí fodeu”, relembra Gordo. “O Turco deu a ideia de abrirmos a loja com as coisas que já tínhamos: camisetas do Ratos, do Hermes & Renato, discos que eram meus, minhas roupas usadas, meus tênis. Juntamos tudo e fizemos uma espécie de um brechozão chique.” Além desses itens, eles oferecem três rótulos de cerveja e temperos e alimentos veganos, como as empanadas argentinas feitas por Vivi, que cresceu em Buenos Aires.

Gordo fazia com que ele tivesse certa relutância em relação à ideia de comercializar produtos com a marca do Ratos de Porão, ainda que os fãs tivessem disponível um
diverso catálogo extraoficial. O panorama mudou depois que ele assistiu a uma entrevista em que Paul Stanley, vocalista do Kiss, dizia: “Se você não está ganhando dinheiro com a sua banda, alguém está”. “É um direito nosso, né?”, hoje Gordo analisa. “Nego vem dizer: ‘Você é capitalista, você vende’. Você quer que eu venda o que, pó [cocaína], pra te agradar? Eu tenho família.” Além de Vivi, esse clã é composto pelos dois filhos do casal e alguns animais que eles resgatam pelo caminho – atualmente, uma gata, uma cadela e um coelho (também já passaram por lá o galo Gato e o porco Atum, que pode ser ouvido na música “Sangue e Bunda”, do
Ratos). “Estamos nessa, uma família bem a favor dos bichos. Engraçado, né, depois de velho virar hippie [risos].”