Edição 121 - Setembro de 2016

Outro Grau de Confinamento

Supermax, série nova da Globo, mistura gêneros para alcançar resultado inédito na TV
  • Imprimir
Outro Grau de Confinamento
Divulgação
por Stella Rodrigues

Doze competidores. Câmeras para todos os lados. Apenas um sairá vencedor. Sim, você já viu essas características antes, mas elas estão prestes a ganhar novo sentido em Supermax, série da Globo com estreia marcada para 20 de setembro. Na história, um presídio desativado no meio da Floresta Amazônica recebe sete homens e cinco mulheres, cada um com um histórico criminal diferente, para disputar um reality. Em certo momento, o grupo perde a comunicação com a produção e tudo muda de figura.

Cleo Pires parece absolutamente encantada por Sabrina, personagem que interpreta em Supermax. E, ao que tudo indica, a psicóloga guerreira e de personalidade conquistará o público também. “Ela é uma líder nata, determinada, que tem uma causa pela qual luta ferozmente”, define Cleo, que integra o elenco principal ao lado de Mariana Ximenes, Maria Clara Spinelli, Erom Cordeiro e outros oito atores. “Enquanto todos ficam em dúvida, ela acredita no jogo cegamente”, revela, sem abrir os detalhes a respeito de como a personagem foi parar ali. Tudo que foi divulgado é que a psicóloga é claustrofóbica desde que foi mantida em cativeiro, vítima de um sequestro, mas participa desse confinamento porque precisa do dinheiro do prêmio para ajudar o namorado a sair da prisão.

Mix de drama, thriller e suspense com características de reality, o programa tem sede de inovação. “Eu adoro essa mistura, acho que fortalece a história e envolve mais o telespectador. A série é diferente de tudo que já vi. Por mais que seja muito dramático, tem essa coisa do reality show, com as características que o público costuma assistir nesses programas. Isso dá uma sensação de realidade muito forte e faz com que o público fique de fato sem saber se aquilo é verdade ou não”, complementa Cleo.

Criada por José Alvarenga Jr., Marçal Aquino e Fernando Bonassi (Time de Força-Tarefa e O Caçador), a série tem uma equipe de roteiristas com nomes de bastante destaque no cinema e na TV: Bráulio Mantovani, Carolina Kotscho, Dennison Ramalho, Juliana Rojas, Raphael Draccon e Raphael Montes. Impressiona também o realismo do presídio cenográfico construído dentro do Projac, onde a Globo cria os cenários da maior parte de suas produções. Em uma tenda de 11 metros de altura, foram erguidos três andares em uma área de 800 metros quadrados, com 12 celas com portas automáticas e espaços com cama e vaso sanitário para cada participante.