Edição 124 - Dezembro de 2016

Uma Fúria Branda

Indomável, Jonnata Doll acena às baladas no segundo disco ao lado da banda Garotos Solventes
  • Imprimir
Uma Fúria Branda
Nino Andrés/Divulgação
por Gabriel Nunes

A definição pode soar batida, mas é válida: sobre o palco, Jonnata Doll é uma força da natureza. Errático, instável e imprevisível, ele se desloca entre os integrantes do Garotos Solventes, banda que o acompanha desde 2010, com violência e autoridade. Radicado em São Paulo há quase três anos, quando deixou o Ceará para gravar o primeiro trabalho, Doll revisita em Crocodilo, o segundo disco, o som e a fúria que rondaram o imaginário lírico e melódico do debute, mas acenando a baladas acústicas.

“Quis deixar aflorar outro lado meu nesse álbum”, diz o músico, que antes de assumir a frente do Garotos Solventes tocou no Kohbaia, de 1997 a 2009. “Sempre gostei de compor baladas folk, mas quando fui gravar o primeiro álbum do Garotos preferi criar uma espécie de coletânea de tudo que tocava na época dessa minha primeira banda.” Produzido por Kassin e Yury Kalil e com participação especial de Fernando Catatau e Dado Villa Lobos, Crocodilo traz influências que atravessam uma vasta extensão do movimento punk: desde o germe soturno e indomável de grupos protopunk como MC5 e The Velvet Underground até o romantismo melancólico pós-punk de The Cure e The Smiths. Doll também lista alguns ícones da literatura beat como norteadores. “Todas as minhas músicas passam pela autobiografia. Sempre admirei quem tem essa abordagem, como [Jack] Kerouac e [William] Burroughs.”

Assim como parte dos beatniks, que descreveram em livros o vício em entorpecentes, Doll relata nas canções a conturbada relação que teve com as drogas, mais especificamente com a morfina. “Tive um envolvimento muito forte com opiáceos”, relembra o cantor, que é graduado em ciências sociais e redigiu uma monografia cujo objeto de estudo foi um grupo de usuários em Recife. “Mas aí mergulhei fundo no objeto [risos]”, revela. “Era um romantismo que me seduziu muito na época. Hoje é engraçado olhar pra trás e ver como às vezes você se comporta de uma forma clichê.”