Edição 129 - Maio de 2017

Psicoldelia Paranaense

Poucos meses após o lançamento do primeiro disco, Trem Fantasma já começa a trabalhar em novas canções
  • Imprimir
Trem Fantasma
Vinicius Antunes
por Anna Mota

A psicodelia, que teve fôlego renovado no Brasil pelas mãos de bandas como Boogarins e Bike, ganhou mais um reforço com Lapso, estreia dos paranaenses do Trem Fantasma, lançado no fim de 2016. Produzido por Beto Bruno, do Cachorro Grande, e masterizado por Rob Grant – que já trabalhou com os australianos do Tame Impala, expoentes desse revival –, o LP levou Marcos Dank (guitarra, voz), Yuri Vasselai (bateria, voz), Leonardo Montenegro (guitarra, piano, synth, backing vocal) e Rayman Juk (baixo, piano, synth e voz) para palcos das principais capitais brasileiras, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e, em maio, Goiânia (no festival Bananada) e a cidade natal, Curitiba (no festival Coolritiba, que teve, entre outros, Novos Baianos, Céu e Karol Conka no line-up).

Poucos meses depois de Lapso, o quarteto já começa a trabalhar no segundo disco. O single “Dias Confusos” é a primeira faixa divulgada do álbum, que deve sair nos próximos meses. “Fizemos essa música há algum tempo, e apesar de ainda ter a ver com o Lapso é diferente por ser bem mais crua”, explica Marcos Dank. Segundo Dank, o próximo trabalho está mais ligado às raízes da banda. “Lapso teve muitas camadas e sintetizadores. Trouxemos de volta a guitarra e o piano, sons mais orgânicos que sempre foram a nossa cara.”

Recomendadas