Edição 137 - Janeiro de 2018

As Sessões de Blues Perdidas de Jimi Hendrix

Um box impressionante com lindas jams de estúdio, chamado Both Sides of the Sky, ganha vida neste mês de março
  • Imprimir
por Kory Grow

Stephen Stills se lembra muito bem daquele dia. Era o final de 1969 quando ele visitou o estúdio Record Plant, em Nova York, para curtir algumas horas de diversão musical com o amigo Jimi Hendrix, que topou tudo – a certa altura, pegou um baixo para acompanhá-lo em uma versão animada de “Woodstock”, de Joni Mitchell. Stills foi embora revigorado. “Vê-lo tocar era como acompanhar o melhor atleta que você já viu – como Muhammad Ali”, diz. “Ele me ensinou a parar de pensar e deixar acontecer.”

Essa versão de “Woodstock” aparece em Both Sides of the Sky, lançado no dia 9 de março, pela Sony Legacy Recordings, em diversos formatos, incluindo CD, digital e uma edição limitada de vinil duplo de 180g. Trata-se de um álbum de gravações inéditas de estúdio que Hendrix fez nos dois últimos anos de vida, enquanto acumulava fitas para lançar depois de resolver uma disputa contratual. É o último trabalho de uma trilogia que começou com Valleys of Neptune, de 2010, depois que a Sony chegou a um acordo com a irmã do guitarrista, Janie, para liberar as músicas.

A Explosão da Contracultura: Verão do Amor marcou apogeu do movimento hippie e mudou as regras do jogo no rock

Alguns notáveis colaboradores aparecem no set, incluindo, além de Stills, Johnny Winter e o vocalista/saxofonista Lonnie Youngblood (companheiro de Hendrix antes da fama na banda Curtis Knight & the Squires). Stills aparece em duas faixas gravadas em setembro de 1969: a cover de “Woodstock”, de Joni Mitchell (meses antes da famosa regravação do Crosby, Stills, Nash & Young), e uma original, “$20 Fine”. Winter surge em uma versão completa e remixada de “Things I Used to Do”, do Guitar Slim.

Both Sides of the Sky pesa a mão no blues, mas capta a diversão que Stills descreve: há uma poderosa “Mannish Boy”, com Hendrix cantando em falsete acompanhando a guitarra incendiária; durante “Lover Man”, uma favorita nos shows, ele executa espontaneamente a música-tema de Batman. “Quando tudo desmoronava, ele começava a tocar o tema de Batman ou do seriado Peter Gunn”, conta o engenheiro de Hendrix, Eddie Kramer, que trabalhou no projeto. “Ele queria manter tudo leve.” Kramer dá como exemplo “Cherokee Mist”, uma faixa instrumental maluca e hipnótica de sete minutos com Hendrix na guitarra e no sítar. “Soa como um animal selvagem à solta no estúdio”, diz. Revisitando as músicas, ele lembrou a alegria de trabalhar com Hendrix, que mixava as próprias partes enquanto Kramer mexia na mesa diminuindo e aumentando os outros instrumentos ao mesmo tempo. “Depois de terminar, caíamos na risada.”

Será que esta é a última palavra sobre o trabalho em estúdio de Hendrix? “É difícil dizer”, afirma o coprodutor John McDermott. “Com Jimi, sempre há esperança de que exista uma pilha de fitas realmente ótimas por aí. Ele amava gravar e criar.”

Capa e tracklist de Jimi Hendrix – Both Sides of the Sky Track

1 - "Mannish Boy" (inédita)
2 - "Lover Man" (inédita)
3 - "Hear My Train A Comin'" (inédita)
4 - "Stepping Stone" (inédita)
5 - "$20 Fine" (inédita, com Stephen Stills)
6 - "Power Of Soul" (versão estendida inédita)
7 - "Jungle" (inédita)
8 - "Things I Used to Do" (com Johnny Winter)
9 - "Georgia Blues" (com Lonnie Youngblood)
10 - "Sweet Angel" (inédita)
11 - "Woodstock" (inédita, com Stephen Stills)
12 - "Send My Love To Linda" (inédita)
13 - "Cherokee Mist" (inédita)

Recomendadas