Criolo faz 40 anos: comemore com uma playlist que representa a versatilidade sonora do rapper

  • Imprimir
Criolo
Divulgação
por ROLLING STONE/OFERECIMENTO TIM
4 de Set. de 2015 às 15:56

Em 2011, Criolo viu os rumos de sua trajetória musical mudarem com o lançamento do segundo trabalho da carreira, Nó na Orelha, eleito pela Rolling Stone Brasil o melhor lançamento daquele ano. O rapper, que por pouco não desistiu da carreira, caiu nas graças não só do público e da crítica, mas também de gigantes da MPB como Caetano Veloso e Chico Buarque.

Tendo em vista as conquistas de seus últimos anos de trabalho, Criolo tem ainda mais motivos para comemorar seu aniversário, neste sábado, 5, quando completa 40 anos. Celebre também com essa playlist de dez faixas do artista:

"Não Existe Amor em SP"
Uma das músicas mais tristes do repertório de Criolo acabou se tornando o maior hit do rapper e cantor. A descrição sensível da vida na metrópole, em que, mesmo em meio à multidão, é fácil se sentir solitário, ganhou os ouvidos de públicos que sequer se identificavam com a obra anterior do artista.

"Cartão de Visita" (com Tulipa Ruiz)
Depois do sucesso do segundo disco, Nó na Orelha (de onde saiu "Não Existe Amor em SP"), a expectativa sobre o terceiro álbum de Criolo era alta. Convoque Seu Buda (2014) não decepcionou, puxado por essa canção com a inconfundível voz de Tulipa Ruiz. Criolo ainda fez troça do fato de uma entrevista que concedeu ao ator Lázaro Ramos ter virado meme, incluindo o verso “Lázaro, alguém nos ajude a entender”.

"Freguês da Meia-Noite"
Esse bolero é mais uma prova da versatilidade sonora do rapper e dos produtores com quem trabalhou em seus dois últimos discos, Daniel Ganjaman e Marcelo Cabral. A faixa ganhou clipe com clima noir e foi regravada por Ney Matogrosso no disco Atento aos Sinais (2103).

"Esquiva da Esgrima"
Criolo pode cantar (como também faz nesse refrão), mas jamais deixa de lado a capacidade de fazer rap com rimas sagazes e atuais: “É a esquiva da esgrima, a lágrima esquecida/ A cor da minha pele, eu sei, tem quem critica”.

"Coroné Antonio Bento" (com Ivete Sangalo)
No início de 2015, o artista deu um passo ousado na carreira: partiu em uma turnê ao lado de Ivete Sangalo com um show em homenagem a Tim Maia. A parceria acaba de render um disco. Embora Ivete tenha tido um protagonismo maior nos shows, no álbum o tributo fica mais equilibrado, como mostra essa canção, cantada apenas por Criolo.

"Mariô"
Criolo e Emicida protagonizaram juntos a nova onda de destaque do rap nacional, mesmo que Criolo tenha mais anos de estrada – o primeiro trabalho dele, Ainda Há Tempo, saiu em 2006, enquanto que Emicida estreou com Pra Quem Já Mordeu Um Cachorro Por Comida, Até Que Eu Cheguei Longe..., de 2009. O tempo não importa – os dois são parceiros e, inclusive, gravaram um DVD ao vivo, onde há uma versão dessa faixa.

"Fermento pra Massa"
Um samba relaxado e irresistível com letra em apoio ao direito de o povo se manifestar: “Eu que odeio tumulto, não acho um insulto manifestação/ Pra chegar um pão quentinho, com todo respeito a cada cidadão”.

"Samba Sambei"
Apesar do nome, esse é um reggae. A letra é mais curta que de costume na obra de Criolo, com um refrão fácil de memorizar.

"Grajauex"
O rapper cresceu em Grajaú, zona sul de São Paulo. Aqui, ele fala da realidade do bairro da periferia da capital paulista. Mais tarde ele também lançaria um clipe tendo o local como tema (das faixas “Duas de Cinco” e “Cóccix-ência”).

"Casa de Papelão"
O afrobeat de Fela Kuti marca o andamento de "Casa de Papelão", outra canção lançada em Convoque seu Buda. A percussão destacada faz a cama para mais uma letra de cunho social, avisando que “Prédios vão se erguer/ E o glamour vai colher/ Corpos na multidão”.

Ouça a playlist completa no serviço de streaming Deezer.

Leia também