Playlist: dez músicas para relembrar o poder de Elvis Presley

  • Imprimir
Elvis Presley
AP
por ROLLING STONE/OFERECIMENTO TIM
8 de Jan. de 2016 às 12:41

Se estivesse vivo, Elvis Presley completaria 81 anos neste dia 8 de janeiro de 2016. Nunca é preciso arrumar uma desculpa para ouvir a inigualável voz do Rei do Rock, mas resolvemos aproveitar a data para relembrar dez canções capazes de trazer emoção aos fãs ou de fisgar quem ainda não se deixou levar pela obra do astro.

“My Happiness” (1954)
O single de estreia lançado por Elvis Presley foi “That’s Alright”, mas antes disso ele entrou nos estúdios da Sun Records, em Memphis, para gravar pela primeira vez. Esta foi uma das canções que saíram da sessão amadora.

“I Was the One” (1956)
Uma balada levada por piano e backing vocals em que o cantor tem o coração partido por uma moça de quem ele havia sido o primeiro amor. Foi o lado B de “Heartbreak Hotel”, primeiro single de Elvis na gravadora RCA.

“I’m Counting On You” (1956)
A melodia intensifica a necessidade que o interlocutor apaixonado sente de estar com seu amor. Mas há um lado ambíguo: dá para sentir que o autor (o compositor Donald Robertson, um dos favoritos de Elvis) projeta uma necessidade de aceitação exacerbada em sua amada. Um caso para a psicanálise.

“Don’t Be Cruel” (1956)
Contrabaixo, caixa de bateria bem marcada e um ótimo time de backing vocals tornam impossível não se pegar balançando o pé enquanto Elvis clama para que sua paixão pare de torturá-lo e atenda ao chamado dele.

“Jailhouse Rock” (1957)
Música-tema do terceiro filme estrelado pelo artista (lançado em 1957 e, no Brasil, chamado de Prisioneiro do Rock and Roll ou O Prisioneiro do Rock), é um hit da primeira década do rock e um clássico atemporal do gênero. Prova disso é o fato de ter entrado para a lista de 500 canções que formataram o estilo, compilada pelo Hall da Fama do Rock and Roll.

“His Hand in Mine” (1960)
Apesar de seu apelo sexual – os quadris balançantes do rapaz chocaram muitas famílias quando ele surgiu nos Estados Unidos –, Elvis fez inúmeras gravações gospel. Mesmo para quem não é religioso, a ternura com que ele derrama sua devoção é de arrepiar. A faixa deu nome ao primeiro LP gospel do cantor.

“When It Rains, It Really Pours” (1965)
Sendo o Rei do Rock, Elvis também tinha blues correndo nas veias, como mostra nesta versão da canção de Billy “The Kid” Emerson. Foi gravada originalmente em 1957, mas lançada apenas anos depois.

“In the Ghetto” (1969)
O astro vinha de uma série de singles malsucedidos quando chegou a esta belíssima composição de Mac Davis (responsável por outro sucesso na voz do artista, “A Little Less Conversation”), que fala sobre o ciclo de pobreza difícil de se quebrar para quem nascia nas periferias dos Estados Unidos.

“Suspicious Minds” (1969)
Elvis passou um bom tempo da década de 1960 com sucesso mediano, insatisfeito com a própria carreira. Depois da volta aos holofotes com um especial de TV em 1968, essa canção, que chegou ao primeiro posto da parada, acabou se tornando o ponto alto do “retorno” do Rei.

“Burning Love” (1972)
Uma faixa que exalta o poder de atração do rock. Foi o último grande sucesso de Elvis a entrar no top 10 da parada norte-americana, em 1972. Cinco anos mais tarde, o astro morreu, deixando para trás uma legião de fãs inconsolados que até hoje teimam em acreditar que ele segue vivo, escondido em algum canto do mundo.

Ouça essas e diversas outras canções do artista no serviço de streaming TIMmusic by Deezer.

Leia também