Guia de CDs

Dirty Projectors

Dirty Projectors

Dirty Projectors Domino
  • Rolling  Stone:
    Whole StarWhole StarWhole StarWhole StarEmpty Star
  • Imprimir
por Will Hermes
16 de Março de 2017
Ao lado do TV on the Radio, LCD Soundsystem e Vampire Weekend, o Dirty Projectors foi parte fundamental da cena indie de vanguarda que marcou Nova York há cerca de dez anos. O mentor, David Longstreth, depois seguiu carreira como compositor e produtor, colaborando com Rihanna, Solange e outros. De volta ao Dirty Projectors, ele engendrou novas batidas e inventivas partes de guitarra. O mote é separação – é nitidamente sobre o fim do relacionamento dele com a ex-companheira de banda, a cantora e guitarrista Amber Co man. Mas para Longstreth o bom humor e a mágoa estão lado a lado. No encerramento, “I See You”, ele canta: “O amor que fazemos é arte”. A declaração é tão doce que poderia fazer a ex reconsiderar. Se for para resultar em algo musicalmente tão bom quanto este álbum, os fãs podem torcer para que Longstreth continue sofrendo por amor.