Guia de CDs

Nação Daltônica

Plebe Rude

Nação Daltônica Substancial Music
  • Rolling  Stone:
    Whole StarWhole StarWhole StarEmpty StarEmpty Star
  • Imprimir
por Mauro Ferreira
18 de Fevereiro de 2015
O Plebe Rude e o Aborto Elétrico (que, ao se dissolver, gerou o Legião Urbana e o resistente Capital Inicial), foram as bandas de pós-punk que mexeram com a cena roqueira de Brasília na década de 1980. Apesar das dissidências e rupturas ao longo da estrada, o grupo sempre se manteve coerente, tendo à frente o vocalista e guitarrista Philippe Seabra. O repertório de Nação Daltônica, primeiro álbum de inéditas desde R ao Contrário (2006), conecta a banda brasiliense às suas origens oitentistas. Seabra gravou a obra junto ao baixista-fundador André X e ao vocalista e guitarrista paulistano Clemente (que passou a integrar a banda nos anos 2000, sem abandonar seu pioneiro grupo Inocentes) e ainda teve a adesão do baterista brasiliense Marcelo Capucci. Na capa do CD, a ilustração do garoto de frente para uma TV fora do ar remete à capa do primeiro álbum da banda, Nunca Fomos Tão Brasileiros (1987), no qual o mesmo garoto era o espectador, em uma rua, de uma cena de caos urbano. O recado parece ser que as coisas não mudaram tanto assim no Brasil, exceto a alienação do povo que, apagada a chama dos protestos de junho de 2013, já voltou silencioso das manifestações para casa. “Demagogia vem da capital/ E o vazio distinto do canal/ Goela abaixo pois sabem, não faz mal/ Porque é só entretenimento no final”, dispara a banda contra a mídia televisiva em versos de “Anos de Luta”. Antenadas, as letras (quase todas assinadas solitariamente por Philippe Seabra) soam bem mais fortes do que as melodias. Talvez por isso mesmo o disco cresça nas faixas de maior peso roqueiro, como “Rude Resiliência” e no punk rock “Três Passos”, que fecha o disco contabilizando a lenta caminhada do Brasil rumo ao progresso (“Dois passos para a frente e três para trás”). Nação Daltônica é um trabalho que questiona o papel do brasileiro nas mazelas do país. “Sua geração se acomodou ou o nível de exigência baixou?”, alfineta “Quem Pode Culpá-lo?”. Já “Sua História” tem como surpresa o toque da Orquestra Sinfônica da República Tcheca. Das dez músicas, oito são inteiramente inéditas. “Tudo Que Poderia Ser” já havia sido apresentada no DVD Rachando Concreto – Ao Vivo em Brasília (2011), cujo título alude ao EP O Concreto Já Rachou (1986), base sólida da discografia do quarteto. Já “Mais um Ano Você” vai ter sua melodia identificada por fs da banda inglesa de pós-punk The Comsat Angels: é versão de “Will You Stay Tonight?” (1983), música do quarto álbum dos britânicos. Em bom português, o Plebe Rude apresenta versos que provocam uma geração que vê tudo distorcido pela TV, refletindo as cores pálidas de uma nação cada vez mais daltônica, como indica o nome do disco.