As 100 Maiores Músicas Brasileiras

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 80
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
7

"Panis et Circencis"

  • Imprimir

Os Mutantes (Gilberto Gil/Caetano Veloso)


Uma das canções mais marcantes de Tropicália ou Panis et Circencis (1968), o disco-manifesto do tropicalismo (que juntou Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Nara Leão, Tom Zé e os intérpretes da faixa em questão, Os Mutantes). O nome veio do uso errôneo de uma expressão latina, que Décio Pignatari viria chamar de “delicioso provincianismo de vanguarda”. A confusão continua até hoje: na edição mais recente do álbum, o nome é grafado como “circencis” na capa, sendo usadas também as formas “circenses” e “circences” na contracapa. “Panis et Circencis” também foi escolhida para abrir o primeiro disco de Os Mutantes, homônimo, lançado no mesmo ano. O arranjo, feito pelo maestro Rogério Duprat, referência básica no tropicalismo, foi o mesmo nos dois álbuns. Para Caetano, coautor ao lado de Gil, a faixa é “uma peça tropicalista bem-acabada, perfeita”. Em 1996 foi regravada por Marisa Monte em Barulhinho Bom e voltou a ser muito bem executada nas rádios e TVs. O sucesso foi tanto que, alguns anos depois, quando Rita Lee voltou a apresentar a música em seus shows solo, ouviu um gracejo vindo de seu filho (e companheiro de banda) Beto: “Ih, mãe, vai tocar Marisa Monte agora?” - Paulo Terron