As 100 Maiores Vozes da Música Brasileira

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 80
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
33

Ângela Rô Rô

  • Imprimir
Reprodução/Site Oficial

Virou até clichê associar Ângela Rô Rô a Maysa, seja pelo rosto similar, seja pela dose alta de sofrimento que irmana essas cantoras e compositoras que, cada uma em seu tempo e lugar, demarcaram territórios na música brasileira. Propagada em 1979, a partir de um álbum que mais parece um best of, tal a concentração de hits memoráveis, a voz rouca e eminentemente carioca da cantora se impôs pautada por excessos comportamentais típicos dos popstars. Se há algo do samba-canção doído de Maysa no canto assumido de Ângela, há também a tristeza do blues, a energia do rock e um deboche de aura punk que tornaram singular sua voz grave, que se faz ecoar habitualmente acompanhada de um piano, próprio ou alheio. Ao humor ferino em cena, Ângela alia performances quentes que sinalizam que algo profundo arde em sua própria fogueira existencial.