As 100 Maiores Vozes da Música Brasileira

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 80
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
36

Dick Farney

  • Imprimir

Pianista de formação erudita, Dick Farney, pseudônimo artístico de Farnésio Dutra e Silva, começou a mostrar a peculiaridade de sua voz já no meio da década de 40, quando gravou “Copacabana”, o eterno samba-canção de João de Barro. Admirador confesso de Bing Crosby, conhecedor e amante do jazz e de standards norte-americanos, Farney fez carreira nos Estados Unidos e transpôs para o seu canto grave, aveludado e romântico, grande parte desse repertório. Mas foi com a nascente bossa nova que passou a ser um intérprete marcante do género que ainda tinha muita proximidade com os sambas abolerados. Até um fã-clube de nome Sinatra-Farney ele teve. De seu extenso repertório destacam-se inúmeras pérolas, sempre marcadas pela sua qualidade vocal. “Tereza da Praia”, dueto com o amigo Lúcio Alves, ainda arranca suspiros.