As 100 Maiores Vozes da Música Brasileira

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 80
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
27

Luiz Melodia

  • Imprimir
Divulgação

A música negra é sintetizada de forma plena na carreira e na voz de Luiz Melodia, nascido e crescido no morro de São Carlos, no bairro Estácio de Sá (RJ). Fosse pela vontade do pai, o sambista Oswaldo Melodia, a inconfundível voz de Luiz teria permanecido desconhecida, já que ele queria um filho doutor. Mas já antes de Pérola Negra (1973), Luiz Melodia foi gravado por Gal Costa, com ponte feita por Waly Salomão. “‘Pérola Negra’ é um surto seminal de um novo canto do negro mulato cafuzo brasileiro internacional jovem”, descreveu. Tendo como cama samba, rock, blues e jazz, Melodia cantava de forma ampla, aberta, seja em um clássico romântico como “Estácio, Holly Estácio”, ou em um blues como “Magrelinha”. “O obá Luiz Melodia Carlos dos Santos Melô do Quilombo de São Carlos é a voz do morro, sim senhor”, definiu Salomão, de forma peculiar e definitiva.