As 100 Maiores Vozes da Música Brasileira

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 80
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
10

Milton Nascimento

  • Imprimir
JOAO MARCOS ROSA/NITRO

Por Samuel Rosa


"Milton é um dos principais artistas da música brasileira. Ele sintetiza, na inovadora assinatura musical dele, uma série de habilidades. Tem voz linda e um timbre inconfundível e muito particular. Ao ouvi-lo, não se faz referência direta a algo da nossa música, mesmo havendo mistura riquíssima ali de música mineira, sacra, hispânica e latina, e até dos Beatles e do folk de Dylan. Em termos de popularidade fora do Brasil, principalmente no circuito do jazz, ele só encontra paralelo com Tom Jobim.

Tem um disco de 1968, Courage, com Eumir Deodato, e que reúne grandes músicos americanos, o qual, para mim, é sagrado, pois marcou muito a minha infância. Meu pai ouvia e foi meu primeiro contato com a música dele. O movimento que Milton fundou com Lô Borges, o Clube da Esquina, é um dos principais da música popular brasileira. Ele está de igual para igual com Tropicália, bossa nova e Novos Baianos, em termos de importância e de construção harmônica e melódica. É uma referência muito importante para mim. Na parte embrionária do Skank, fizemos uma versão de “Raça”, o que prova que tínhamos forte influência dele."