As 100 Maiores Vozes da Música Brasileira

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 80
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
40

Raul Seixas

  • Imprimir
Divulgação

Como cantor, raul Seixas abriu uma linha que não existia antes dele. “Ouro de Tolo”, por exemplo, em que a voz de Raul descreve um texto longo e criativo, em cima de compassos curtos e lentos, coisa que ainda não havia sido feita na MPB. Sua narrativa, mostrando o universo da classe média brasileira, um pouco decadente, encheu os alto-falantes das rádios do país, tomadas de assalto por essa gravação magnífica! Eu mesmo me assombrei, na época, quando vi, pela primeira vez, essa música ser executada. Foi uma revolução na forma de cantar, não havia precedentes para essa performance de Raul. Ele era intérprete mais de suas músicas, apesar de cantar covers de rock and roll, via Elvis Presley, Bill Haley and his Comets, entre outros. Sua voz era singular. Tinha um timbre único, fácil de ser identificado, quando ouvido. Para mim, Krig Ha Bandolo, Gita e Novo Aeon são três trabalhos que representam a implantação mística criativa que marcou para sempre o trabalho dele na música brasileira. Tanto que desses três, retirei quase todo o material para gravar o meu tributo a esse amigo. Eles estão cheios de imagens, profecias, humor e “barra-pesada”. Essa é a grande fase do Maluco Beleza.