As 100 Maiores Vozes da Música Brasileira

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 80
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
4

Wilson Simonal

  • Imprimir
ACERVO ULTIMA HORA/FOLHA IMAGEM

Por Max de Castro


"Simonal inaugurou uma nova escola de canto no Brasil. Ele uniu todas as escolas vocais, desde o cool da bossa nova até a potência vocal, acrescentando uma influência do suingue, na maneira mais criativa de se interpretar uma música. Não somente por saber cantar as notas originais, mas também por criar uma divisão diferente e novas possibilidades de melodias paralelas.

No começo da carreira até o fim dos anos 70, Simonal viveu, como cantor, em uma evolução constante. Começou cantando rock e calipso nos primeiros discos, com muita influência dos conjuntos vocais norte-americanos e de Ray Charles. Também se aproximou da bossa e do samba, e nunca teve medo de misturar ritmos. Na segunda metade dos anos 60, teve a história da pilantragem, gênero que ajudou a criar. O jeito de ele cantar era adequado ao gênero musical mais dançante, balançado, direto e popular. Então, todas as suas fases têm pontos altos. Não era só um cantor. Era um artista bem completo e fazia muitas coisas no palco. E tem essa coisa da comunicação, de falar e brincar com o público, o que você vê hoje muitos artistas fazendo. É uma coisa comum. Qualquer artista de banda de axé hoje fala: “Tira o pé do chão”. Mas isso era algo que não existia na música popular brasileira. Ele foi um dos primeiros, se não o primeiro."