Os 100 Maiores Discos da Música Brasileira

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 80
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
8

Cartola - Cartola (1976, Discos Marcus Pereira)

  • Imprimir
Reprodução

Por Bruno Yutaka Saito


Cartola foi pedreiro, lavador de carro, contínuo e o que mais lhe rendesse uns trocados, viu e cantou de tudo. Só não teve tempo de ver que este seu segundo disco mudaria a cabeça de quem o ouvisse, pelas décadas seguintes. Entre sam bas antigos e então inéditos, neste álbum, Cartola passeia entre a alegria melancólica e a pura dor, em poemas musicais que parecem ter sido lapidados da maneira mais rústica, autêntica e sofrida possível. Não há otimismo desvairado para alguém que só gravou seu primeiro disco aos 65, dois anos antes. Fosse para selecionar apenas os clássicos, basta dizer que estão ali “As Rosas Não Falam", “O Mundo É um Moinho" e “Preciso Me Encontrar", de Candeia, em versão definitiva. Esta última, aliás, de tempos em tempos é redescoberta por uma geração inteira, do cineasta Walter Salles, que a colocou na trilha do filme Central do Brasil (1998), ao DJ Guab (atração do Tim Festival deste ano), que a apresentou remixada aos indies das descoladas danceterias paulistanas.