Os 100 Maiores Discos da Música Brasileira

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 80
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
41

Meus Caros Amigos - Chico Buarque (1976, Philips)

  • Imprimir
Reprodução

Por Antônio do Amaral Rocha


A obra cultural de Chico Buarque sempre esteve condicionada aos momentos em que o país vive. Foi assim quando surgiu, e continua sendo assim. Todas as faixas de Meus Caros Amigos trazem referências ao clima da ditadura. Há um quê de abafado na forma de dizer as coisas, algo que pode ser chamado de um “surdo protesto”. Senão, como interpretar “O que Será” – com a participação especial de Milton Nascimento – e “Meu Caro Amigo” – um relato claro de que “a coisa aqui tá preta”? Por outro lado, e como sempre, temos um Chico poeta, dono de um impressionante lirismo.