Os 100 maiores guitarristas de todos os tempos

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
52

Clarence White

  • Imprimir

Clarence White ajudou a moldar dois gêneros: seu estilo acústico com palheta, exibido pela primeira vez na adolescência quando ele e o irmão formaram a banda Kentucky Colonels, foi essencial para tornar a guitarra um instrumento de destaque no bluegrass. Mais tarde, abriu caminho para o country rock e transferiu essa precisão dinâmica e simetria melódica para a guitarra elétrica. Um dos melhores músicos de estúdio dos anos 60, tocou no crucial Sweetheart of the Rodeo, do Byrds, de 1968. Depois de entrar para a banda, no mesmo ano, White trouxe uma elação completa do rock para suas habilidades de Nashville com um toque californiano. “Ele nunca tocou nada que soasse fraco”, disse Roger McGuinn, líder do Byrds. “Sempre estava indo... para dentro da música.” White havia retornado ao bluegrass com o álbum Muleskinner quando foi morto por um motorista bêbado em 1973. Tinha 29 anos.

PRINCIPAIS FAIXAS “Time Between”, “This Wheel’s on Fire”, “Chestnut Mare”

Pular para: