Os 100 maiores guitarristas de todos os tempos

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
8

Eddie Van Halen

  • Imprimir
LARRY MARANO/GETTY IMAGES





Por Mike McCready

Quando eu tinha 11 anos, estava na casa do meu professor de guitarra e ele botou “Eruption”. Soava como se tivesse vindo de outro planeta. Era gloriosa, como ouvir Mozart pela primeira vez.

Eddie é mestre dos riffs: “Unchained”, “Take Your Whiskey Home”, o começo de “Ain’t Talking ’Bout Love”. Ele consegue sons que não são necessariamente de guitarra – muito harmônicos, texturas que acontecem somente pelo jeito de ele tocar. Há uma parte em “Unchained” que soa como se houvesse outro instrumento no riff.

Muito disso está nas mãos dele: como ele segura a palheta entre o polegar e o dedo médio, o que permite executar os “tappings” (quando descobri que ele tocava assim, tentei, mas foi estranho). E Eddie tem alma. É como Hendrix – dá para tocar as coisas que ele compôs, mas há um fator X que você não consegue atingir.

Eddie ainda tem isso. Vi o Van Halen na turnê de reunião há dois anos e, no segundo em que ele apareceu no palco, tive a mesma sensação de quando era moleque. Quando você vê um mestre, sabe disso.

PRINCIPAIS FAIXAS “Eruption”, “Ain’t Talking ’Bout Love”, “Hot for Teacher”

Pular para: