Os 100 maiores guitarristas de todos os tempos

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
51

Johnny Marr

  • Imprimir
Foto: Divulgação

O guitarrista do The Smiths foi um gênio da guitarra para a era pós-punk: não era um solista exibicionista, mas um músico técnico que podia soar como uma banda inteira. Ao estudar discos da Motown quando garoto, Johnny Marr tentava replicar não apenas os riffs de guitarra, mas também piano e cordas. Seus arpejos voluptuosos – frequentemente tocados em uma Rickenbacker ressoante com incrível fluidez e detalhe – eram tão essenciais para o som característico do Smiths quanto o barítono de Morrissey. E foi um explorador incansável: para “This Charming Man”, Marr derrubou facas em uma Telecaster 1954, um incidente revelador ao qual o Radiohead pode ter se referido em sua “Knives Out”, inspirada no Smiths. “Ele foi um ritmista brilhante, raramente tocava solos”, disse Ed O’Brien, do Radiohead, parte de toda uma geração de guitarristas britânicos que aprenderam com Marr.

PRINCIPAIS FAIXAS “This Charming Man”, “How Soon Is Now?”

Pular para: