Os 100 maiores guitarristas de todos os tempos

  • 100
  • 99
  • 98
  • 97
  • 96
  • 95
  • 94
  • 93
  • 92
  • 91
  • 90
  • 89
  • 88
  • 87
  • 86
  • 85
  • 84
  • 83
  • 82
  • 81
  • 79
  • 78
  • 77
  • 76
  • 75
  • 74
  • 73
  • 72
  • 71
  • 70
  • 69
  • 68
  • 67
  • 66
  • 65
  • 64
  • 63
  • 62
  • 61
  • 60
  • 59
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • 54
  • 53
  • 52
  • 51
  • 50
  • 49
  • 48
  • 47
  • 46
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 41
  • 40
  • 39
  • 38
  • 37
  • 36
  • 35
  • 34
  • 33
  • 32
  • 31
  • 30
  • 29
  • 28
  • 27
  • 26
  • 25
  • 24
  • 23
  • 22
  • 21
  • 20
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 15
  • 14
  • 13
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
75

Joni Mitchell

  • Imprimir
AP

Joni era uma fantástica instrumentista rítmica e evoluiu muito rápido. Havia dominado a ideia de que podia afinar o violão do jeito que quisesse para assim conseguir outras inversões dos acordes. Eu também fazia isso, mas ela foi além. Entendi sua alegria em usar depois ferramentas sonoras maiores, como bandas de jazz e orquestra. Mas as coisas que Joni realizou que eram mais a cara dela, como em Blue, de 1971, eram o que ela sabia fazer de melhor.


PRINCIPAIS FAIXAS “I Had a King”, “Night in the City”, “Coyote”

Pular para: