Dez vezes em que Paul McCartney surpreendeu fãs com aparições inesperadas

Seja no topo de um prédio no meio de Liverpool ou em uma vila no interior da Inglaterra, o músico britânico mostra que qualquer lugar é um bom lugar para fazer um som

Rolling Stone EUA Publicado em 09/07/2018, às 10h56 - Atualizado em 14/07/2018, às 14h32

Paul McCartney
Dan Harr/Invision/AP

Imagine só, você sentado, tomando cerveja com amigos, quando, do nada, ninguém menos que Sir Paul McCartney aparece e começa a tocar alguns dos maiores clássicos da história da música. Recentemente, o ex-beatle fez exatamente isso, surpreendendo quem estava despretensiosamente curtindo a tarde em um pub local de Liverpool. Essa apresentação inesperada foi parte do quadro "Carpool Karaoke", com o apresentador James Corden, e mostra como o músico não precisa de motivo algum para aparecer sem aviso prévio e começar a fazer um som.

Seja em um pequeno hotel no campo, no meio da Times Square ou no topo de um prédio em Londres, não há como adivinhar onde o britânico (apelidado carinhosamente de Macca) pode aparecer. Veja abaixo 10 vezes em que o veterano do rock surpreendeu seus fãs.

1- Fazer uma jam com a banda do bar de um hotel na Bavária, durante as filmagens de Help! (Março de 1965)

Durante as filmagens das cenas de ski do segundo longa dos Beatles, os integrantes da banda ficaram hospedados no resort austríaco de Obertauern. Lá eles encontraram Jacky Spelter, um antigo amigo da época em que os britânicos tocaram em casas noturnas da cidade de Hamburgo.

Após um longo dia nas descidas dos Alpes, o quarteto foi à festa de aniversário do assistente de direção do filme Help!, no hotel Marietta, onde Jacky and the Strangers, banda que Spelter fazia parte, costumava tocar. Após algumas garrafas de bebida, McCartney e John Lennon subiram ao palco para uma apresentação frenética e barulhenta, gerando inclusive reclamações de alguns hóspedes.

2- Puxar uma cantoria durante a pausa nas filmagens de Magical Mystery Tour (Setembro de 1967)

Assim que teve uma pausa na produção caótica do filme, McCartney, Ringo Starr e um grupo de amigos foram a um pub na cidade inglesa de Perranporth, para encontrar o músico Spencer Davis, que estava de férias na região. Davis relembra em seu livro que Macca entrou no bar “sorrindo para todo mundo e gritando 'Boa noite pessoal!'”. O relato continua, evidenciando que o integrante dos Beatles colocou uma caneca de cerveja em cima do piano e disse: “eu sou o pianista do pub, e aceito sugestões [de músicas]”, tocando e cantando com os fãs até as 2h da manhã.

3- Revelar “Hey Jude” para moradores de uma vila no interior da Inglaterra (Junho de 1968)

Na biografia As Time Goes By, Derek Taylor (amigo e coordenador de imprensa dos Beatles) relembra uma viagem que fez com McCartney para o vilarejo de Harrold, no interior da Inglaterra. Lá, eles foram tratados como celebridades e, antes que pudesse dar conta, uma menina entregou ao músico canhoto “um violão para destros”, insistindo para que ele tocasse.

De acordo com o relato, os habitantes da vila se reuniram para assistir a Paul tocando uma música que havia escrito durante aquela semana, chamada “Hey, Jude”. A pousada onde estavam hospedados ficou aberta até mais tarde que o normal, enquanto todos apreciavam a serenata performada por Macca.

4- Consagrar o histórico de apresentações dos Beatles com um show icônico do topo de um prédio (Janeiro de 1969)

A performance feita pelos Beatles no topo do prédio que servia como sede para a gravadora Apple Records, no centro de Londres, é possivelmente a apresentação mais famosa dessa lista. A apresentação serviu como um grand finale para o documentário que na época se chamava Get Back, mas depois acabou sendo intitulado Let It Be.

Durante 42 minutos (o show foi interrompido pela polícia) Macca, Harrison, Lennon e Starr enfrentaram o frio londrino de janeiro, registrando o primeiro show da banda em dois anos, e aquela que seria a última aparição pública dos quatro britânicos como um grupo.

5- Invadir um pub com familiares para um programa especial para a televisão (1973)

James Corden não foi o primeiro a armar essa surpresa. Em 1973, como parte do especial para a TV James Paul McCartney, o músico entrou em um pub na cidade de Liverpool e, junto com vários familiares (seu irmão, pai e tias estavam presentes), se divertiram ao som de versões de músicas clássicas desses bares ingleses, como “April Showers”, “Pack Up Your Troubles in Your Old Kit-Bag” e “You Are My Sunshine”.

6- Se passar por um artista de rua e ser completamente ignorado (por volta de 1982)

McCartney foi muito criticado ao longo dos anos pelo musical Give My Regards to Broad Street, de 1984, no qual o ex-Beatle incluiu cenas notáveis onde tocava fora da estação de metrô Leicester Square, em Londres. Ao contrário de quase todos os casos já mencionados nesta lista, desta vez, ninguém parece se importar. O cantor recebeu um meticuloso trabalho de maquiagem. “A produção me maquiou e me deixou lá”, McCartney contou ao New York Daily News pouco tempo depois do lançamento do filme. “Eu disse a eles que nunca sairíamos ilesos com isso, mas eles continuaram colocando pó e mexendo no meu cabelo – eu estava cada vez melhor – e pensei, ‘por que não? ’” O disfarce funcionou e nem mesmo uma versão de uma das músicas mais famosas o denunciou. “Eu estava lá, dedilhando uns acordes, fazendo uma versão boba da música, e ninguém percebeu que era eu. Ninguém quer olhar um músico de rua nos olhos, claro, porque assim as pessoas pegam a história de vida do artista. Então, eles jogavam uma moeda e eu ficava: ‘Yesterday, all my troubles – obrigada, senhor – seemed so far away’”. Todas as moedas que foram parar no chapéu do Paul McCartney foram doadas para a Missão dos Marinheiros local.

7- Cantar na marquise elétrica do David Letterman (2009)

McCartney apareceu na marquise elétrica de David Letterman em frente ao teatro Ed Sullivan para gravar um rápido show na sua primeira aparição no Late Show. A notícia que ele apareceria se espalhou nas redes sociais mais cedo aquele dia e, rapidamente, milhares de pessoas lotaram as ruas para assistir Paul McCartney e sua banda tocarem sete músicas do Beatles, Wings, e Fireman, o projeto colaborativo com o produtor Martin “Youth” Glover. A ocasião teve um significado duplo, pois também marcava o 40º aniversário da apresentação dos Beatles no telhado (ele abriu com a faixa “Get Back”, como homenagem) e também seu retorno ao palco onde ele fez sua estreia americana no The Ed Sullivan Show em fevereiro de 1964.

8- Surpreender estudantes de uma escola em Nova York (2013)

Paul McCartney passou o aniversário de 73 anos de John Lennon interrompendo aulas com um pouco de rock – o que teria deixado seu colego de banda com muito orgulho. McCartney surpreendeu 400 estudantes na Escola de Artes Frank Sinatra, em Astoria, no Queens, e naquela tarde, com um setlist de 13 músicas, ele abriu com “Eight Days a Week”. As músicas foram interrompidas por sessões de perguntas por aspirantes de jovens artistas, moderadas pelo DJ nova-iorquino Jim Kerrr. “Isso é melhor do que ir para a aula”, McCartney brincou ao final da apresentação. Ninguém na plateia discordou.

9- Atrair uma multidão de última hora para a Times Square (2013)

Apenas um dia depois de aparecer na escola de Artes, McCartney performou um show ainda mais elaborado no meio da Times Square. Ele avisou aos fãs com apenas uma hora de antecedência, tuitando: “Uau! Estou realmente empolgado por tocar em Nova York, na Times Square, às 13h!”. Quando seu taxi amarelo chegou a um palco improvisado na West 46th Street com a Broadway, o famoso cruzamento foi invadido por milhares de fãs. “Eu vou colocar um pequeno chapéu aqui mais tarde”, ele brincou com o público. “Estamos basicamente nos apresentando na rua”. O show de 15 minutos contou com quatro músicas do disco New, incluindo “New”, “Save Us”, “Everybody Out There” e a estreia ao vivo de “Queenie Eye”. Uma semana depois, ele fez uma rápida apresentação muito parecida no Covent Garden, em Londres.

10- Se juntar à banda da formatura do seu enteado (2015)

Em maio de 2015, Paul McCartney e a esposa Nancy Shevell celebraram a formatura do filho de Nancy, Arlen, na Rollins College com uma festa realizada no Interleachen Country Club, em Winter Park, na Florida. A banda local Josh Walther & The Phase5 foi chamada para tocar, mas depois de uma hora de festa, o ex-Beatle não aguentou e perguntou se ele poderia se juntar aos músicos. Claro que o grupo. Ele pediu “I Saw Her Standing There”, mas o grupo não conhecia a música, então eles começaram a aprender rapidamente. “Nosso pianista pegou a partitura na internet e tentamos nos alinhar”, Walther contou ao The Examiner. “Acabou que foi incrível”. Após tocarem o sucesso de 1963, começaram um blues chamado “Graduation Day” com as letras originais de Paul McCartney. Walther disse que a lenda do rock é um “cara muito legal e muito despretensioso. Ele parecia querer ficar mais tempo com a gente, mas a esposa não ia deixar”.

Ele se juntou às bandas contratadas novamente na festa de ano novo de 2016 do empresário Roman Abramovich, a banda The Killers foi contratada para tocar. Paul McCartney e Brandon Flowers performaram uma versão de “Helter Skelter” e provaram que o desejo de McCartney de pular em um palco e fazer uma festa continua intacto mesmo depois de meio século.