Em 1994, um Kurt Cobain rouco e introspectivo comandou o último show do Nirvana

Em uma hora e vinte, a banda de Seattle tocou seus últimos acordes ao vivo para 3 mil pessoas em Munique, no dia 1 de março; show não contou com "Smells Like Teen Spirit"
  • Imprimir
por Redação
1 de Março de 2014 às 14:34

No dia 1º de março de 1994, Kurt Cobain tocou pela última vez os acordes de “Heart-Shaped Box”, do último disco do Nirvana, o conturbado In Utero. Estes seriam, também, os últimos acordes de Kurt Cobain ao vivo. Com um setlist de 23 músicas, o show de Munique – pouco mais de um mês antes da morte do cantor - encerrou um capítulo especial na história da música, sendo a última apresentação ao vivo do Nirvana.

Espiral Descendente: os passos derradeiros do líder do Nirvana

As coisas não andavam em harmonia para o trio em março de 1994. As gravações de In Utero foram marcadas por brigas internas e tensão entre Kurt, Dave Grohl e Krist Novoselic. O baterista, em entrevista à Rolling Stone EUA, descreveu o trabalho do produtor Steve Albini, no estúdio, como: “Ele apertava o rec, a gente tocava uma música, e ele batia palma e dizia ‘Ok, qual é a próxima?’”. Ele ainda completou, descrevendo o desânimo e indiferença depois de ter sido solicitado por Kurt e Steve a modificar o ritmo da música “Heart-Shaped Box”: “Ok, caras. Eu faço qualquer coisa que vocês quiserem”.

Além disso, a relação entre Kurt e a esposa, Courtney Love, também desandava, já que minutos antes do show em Munique eles haviam brigado por telefone. Ainda, o vocalista passava por problemas na garganta e sua voz não estava 100 para a apresentação. A turnê europeia da banda se desenrolava desde o começo de fevereiro, e o show no Terminal 1 – antigo aeroporto da cidade fechado em 1992, sendo então usado para shows e festas -, não era o último, mas acabou sendo.

Depois da explosão de Nervermind, o Nirvana se viu atirado às pressões da fama. In Utero, que completa 20 anos em 2013, foi não só o último disco de estúdio do trio, mas também uma confusa história de disputa de poder, brigas internas e músicas ainda mais contundentes.

Aquela apresentação teria seus toques de bizarrice aparecendo desde a primeira música: uma cover improvável de “My Best Friend’s Girl”, clássico de 1978 do The Carrs. Só depois a banda voltou à casualidade da turnê em vigência, tocando a música que costumava abrir os shows recentes, “Radio Friendly Unit Shifter”, de In Utero. Assista abaixo a “My Best Friend’s Girl”, “Radio Friendly Unit Shifter” e “Drain You”, do show de Munique, gravadas pela TV alemã Viva.

Depois de duas pedradas de Nevermind, “Drain You” e “Breed”, e de “Serve The Servents”, a banda deu início à performance do hit “Come As You Are". No segundo verso, a energia da casa foi cortada. A noite se apresentava cada vez mais frígida, e em um dos poucos momentos de descontração, o baixista Krist Novoselic disse ironicamente: “Não estamos tocando no Munich Enordome porque nossa carreira está em declínio. Estamos de saco cheio. O grunge está morto. Nosso próximo disco será de hip-hop!”.

A Rolling Stone EUA cobriu exaustivamente a gravação de In Utero, a morte de Kurt Cobain e os conflitos posteriores.

Com a energia restabelecida, o Nirvana tocou novamente “Come As You Are”, deixando de lado seu maior sucesso, “Smells Like Teen Spirit”, próxima no setlist, mas preterida na ocasião. Veio “Sliver” e, logo depois, “Dumb”, sendo que esta deixou ainda mais claro o que as músicas de In Utero representavam ao momento vivido pela banda. Os pouco mais de 3 mil alemães presentes no Terminal 1, que esperavam um Nirvana vívido e explosivo, encontraram um grupo à sombra de seu vocalista: rouco e introspectivo.

Passaram-se outras dez músicas e, após uma pausa, o trio de Seattle voltou para as últimas cinco canções. No fim, “Heart-Shaped Box” escancarou a voz desgastada devido à bronquite de Kurt, que se poupou de cantar as notas mais altas. Foi 1h20 de show – um dos mais curtos da carreira da banda - e com um tímido “obrigado”, o Nirvana fechava as cortinas para uma intensa e marcante parte de sua história, a dos shows ao vivo.

Três dias depois, com o cancelamento de outras datas da turnê, enquanto Kurt se tratava em Roma, Courtney chamou a polícia alegando uma tentativa de suicídio do marido. Desta vez, ele havia falhado. Entretanto, no dia 8 de abril – pouco mais de um mês depois – foi a vez de as cortinas se fecharem para Kurt Cobain e, consequentemente, para o Nirvana.

Ouça a gravação do último show do Nirvana abaixo (com exceção de “School”, cortada da fita). Na sequência, o setlist da apresentação.

1 – “My Best Friend's Girl” (cover do The Cars)
2 – “Radio Friendly Unit Shifter”
3 – “Drain You”
4 – “Breed”
5 – “Serve The Servants”
6 – “Come As You Are”
7 – “Sliver”
8 – “Dumb”
9 – “In Bloom”
10 – “About a Girl”
11 – “Lithium”
12 – “Pennyroyal Tea”
13 – “School”
14 – “Polly”
15 – “Very Ape”
16 – “Lounge Act”
17 – “Rape Me”
18 – “Territorial Pissings”
19 – “The Man Who Sold The World”
20 – “All Apologies”
21 – “On a Plain”
22 – “Blew”
23 – “Heart-Shaped Box”

Recomendadas