Ator de Stranger Things faz crítica a Trump em discurso no SAG Awards

Além de David K. Harbour, Julia Louis-Dreyfus e Mahershala Ali também se posicionaram contra as decisões islamofóbicas do presidente norte-americano
  • Imprimir
por Rolling Stone EUA
30 de Jan. de 2017 às 14:31

Durante a 23ª edição do SAG Awards (Prêmios do Sindicato dos Atores), David K. Harbour – o xerife Jim Hopper de Stranger Things – discursou contra o recente decreto do presidente norte-americano, Donald Trump, que proíbe a entrada de imigrantes de origem muçulmana e refugiados nos Estados Unidos.

“Tendo em vista tudo o que tem acontecido no mundo ultimamente, é difícil celebrar”, disse o ator após a série da Netflix ter recebido o prêmio de Melhor Programa Televisivo. Enquanto os atores eram premiados pelos melhores trabalhos de 2016 nas telonas e telinhas, protestos aconteciam em diversos aeroportos ao redor dos Estados Unidos, contra a decisão do ex-apresentador do reality show The Celebrity Apprentice.

Na ocasião, Harbour prometeu ainda que ele e toda a equipe de Stranger Things usarão o trabalho deles para ajudar na batalha contra os “monstros” da vida real e também para criar uma “sociedade mais empática e compreensiva.”

“Nós vamos acabar com os valentões. Nós vamos acolher os esquisitos e os deslocados, aqueles que não têm casa. Nós vamos deixar essas mentiras para trás. Nós vamos caçar os monstros”, continuou o ator. “E quando nós estivermos perdidos no meio da hipocrisia e da violência de certos indivíduos e instituições… Nós vamos socar algumas pessoas na cara assim que elas tentarem perseguir os fracos e marginalizados. E nós vamos fazer tudo isso com alma, coração e alegria.”

Veja um registro em vídeo abaixo.

Assim como Harbour, outros vencedores do SAG Awards 2017 aproveitaram a ocasião para criticar as decisões islamofóbicas de Trump e o início do mandato do recém-eleito presidente.

Julia Louis-Dreyfus (que recebeu o prêmio na categoria Melhor Atriz em Série de Comédia) começou o discurso citando a fraude das eleições norte-americanas realizada com o auxílio de hackers russos. Além disso, Julia aproveitou para ironizar a falsificação por parte dos assessores de Trump do número de pessoas que compareceram à cerimônia de posse dele.

“Meu pai fugiu da perseguição nazista na França”, disse a atriz. “Eu sou uma americana patriota. Eu amo esse país e por causa do meu amor pelos Estados Unidos, eu me sinto horrorizada com todos esses problemas. O banimento dos imigrantes é totalmente anti-americano.”

Ao receber o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante pelo trabalho em Moonlight: Sob a Luz do Luar, Mahersala Ali (House of Cards) falou sobre os efeitos que qualquer tipo de perseguição pode ter em um indivíduo.

“Existem duas maneiras de entender nossas peculiaridades e os detalhes que nos fazem diferentes um dos outros. A primeira delas é uma oportunidade de enxergar essas características como algo que nos fazem únicos”, disse. “Já a segunda, é uma oportunidade de lutar contra essas diferenças. Algo do tipo: ‘Você é diferente, eu não gosto de você, então vamos brigar’.”

Recomendadas