BR 135: Com BaianaSystem, Pinduca e Banda Eddie, festival explora pluralidade musical e se destaca no circuito independente

Etapa de shows populares do evento aconteceu no último final de semana em São Luís, no Maranhão
  • Imprimir
por Anna Mota, de São Luís
4 de Dez. de 2017 às 16:59

Há seis anos o Festival BR 135 ocupa espaços da capital maranhense de São Luís com uma programação gratuita de shows e outras atividades ligadas à música, como oficinas, painéis, rodas de conversa e de negócio. Na edição de 2017, o evento destinou três dias (de 23 a 25 de novembro) à música instrumental, antes de abrir a tradicional temporada de shows populares, que aconteceu entre os dias 30 de novembro e 2 de dezembro. No final de semana, o centro histórico recebeu um line-up plural com representantes de diferentes regiões do país, sendo os headliners BaianaSystem, Pinduca e Banda Eddie.

O BR 135, organizado pela dupla Criolina (também uma atração da programação) integra uma temporada de festivais que ocorre entre outubro e dezembro no Nordeste e no Norte. Além do maranhense, também estão nesta lista o Coquetel Molotov, em Recife, o Ponto.Ce, em Fortaleza, o DoSol, em Natal, e o Se Rasgum, em Belém. São eventos que ao mesmo tempo em que dão espaço para artistas locais, fomentam a circulação dos shows fora do eixo concentrado no Sudeste do país, principalmente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Em uma conversa com a Rolling Stone Brasil nos bastidores do BR 135, Roberto Barreto, guitarrista do BaianaSystem, opinou sobre o assunto. “Esses festivais são muito importantes. Eles têm sido responsáveis por segurar e transformar a música [brasileira] nos últimos anos. E a circulação se deve muito a eles. Acredito que vir a São Luís, por exemplo, não seria viável sem o festival.”

Carnaval sem fim

Um destaque entre as apresentações do palco principal, montado na praça Nauro Machado, foi a energia marcada pela percussão, principalmente das bandas do Norte e Nordeste. Na quinta, 30, o BaianaSystem trouxe poder e política em uma apresentação baseada no elogiado Duas Cidades, de 2016, mas não perdeu força quando tocados os igualmente afiados singles “Capim Guiné” (gravado originalmente com Titica e Margareth Menezes) e “Invisível”, de 2017.

A Orquestra Greiosa, do Rio Grande do Norte, deixou o público em ritmo de carnaval na sexta, 31. O show antecedeu uma morna apresentação de Lucas Santtana seguida pela festa comandada por Pinduca, o consagrado “rei do Carimbó”. O veterano de 80 anos tocou, sem pausa, por mais de duas horas, em uma performance quase messiânica que, além dos grandes hits — “Carimbó do Soco”, “O Rico e o Pobre”, “Sinhá Pureza” —, teve até mesmo um momento de “benção” do público, realizado com uma infusão de ervas trazida pelo músico.

Na última noite, o Muntchako foi de Brasília ao Maranhão para mostrar como também sabe animar uma plateia. Com poucos nuances vocais, a banda de música instrumental experimental tem apenas três integrantes — Samuel Mota (guitarra, banjo, synths, programações e samples), Rodrigo Barata (bateria e samples) e Macaxeira Acioli (percussão e samples) —, mas soa como um supergrupo. O resultado é uma mistura de forró, ska, ritmos latinos, funk, rock e até tango que transpirou frescor e brasilidade no palco maranhense.

Descentralização

A Nauro Machado recebeu 15 shows ao longo dos três dias de festival, mas não foi o único ponto onde o público pôde desfrutar de boa música. Na quinta e na sexta, o Beco dos Catraeiros, separado por uma caminhada de dois minutos da praça, teve uma “kombi musical” na qual bandas locais se alternaram apresentando covers variados (desde “Você Ainda Pensa?”, de Johnny Hooker, até “Olhos Coloridos”, de Sandra de Sá) e produções autorais. No sábado, a atração foi substituída por uma discotecagem de reggae no Beco Catarina Mina, que honrou o apelido de “Jamaica do Brasil” de São Luís.

Na Praça do Reggae foi montado o Palco Spotify, aberto por uma apresentação de Craca e Dani Nega que representou um necessário discurso político na sexta, 1. Ao som das batidas comandadas pelo DJ paulistano, a cantora fez provocações à apropriação cultural, ao machismo e ao racismo da sociedade. “Quem não dança é golpista!” repetiu entre as faixas, antes de terminar o show com um medley que trazia versões dos funks “Baile de Favela” e “Malandramente”, com críticas ao governo do presidente Michel Temer.

BR 135: BaianaSystem reforça potência em noite de performances políticas no festival maranhense

No sábado, o discurso do palco continuou afiado com as rimas do Feminine Hi Fi, dupla que criou instantânea conexão com o público pelas raízes no reggae. Mas a explosão da noite aconteceu durante a entrada do DJ maranhense Alladin e sua “crew”, formada pelas travestis Butantan, Onlye Fuego, Frimes e Enme. Em um estilo que remetia às Spice Girls, o grupo começou a fulminante apresentação de costas para o público, sendo ovacionado quando começou a recitar “para ser tão viado assim/precisa ter muito, mas muito talento”, de “Talento”, de Linn da Quebrada. O show ainda teve covers de Iza (“Pesadão”) e Karol Conka (“Tombei”), além de músicas autorais que já estavam na ponta da língua dos presentes. Uma ode à diversidade que mostrou a força local e a coesão nacional do BR 135.

*A jornalista viajou a São Luís a convite do BR 135

Recomendadas