Dado e Bonfá recuperam na Justiça o direito de usar o nome Legião Urbana para atividades profissionais

Ex-integrantes da banda brasiliense estão em batalha judicial com filho de Renato Russo pelo uso da marca
  • Imprimir
por Redação
30 de Out. de 2014 às 20:19

Os ex-integrantes do Legião Urbana, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá recuperaram na Justiça o direito de utilizar o nome da antiga banda para atividades profissionais. O guitarrista e o baterista já haviam conseguido o direito em julho do ano passado, mas perderam logo em seguida, após o filho de Renato Russo, Giuliano Manfredini, ter recorrido à decisão.

Galeria - Dez filmes inspirados em canções.

Dado e Bonfá mantém a batalha judicial com o herdeiro do ex-vocalista pelo direito de utilizar a marca Legião Urbana. Contudo, a sentença, expedida na última terça, 28, pelo juiz Fernando Cesar Ferreira Viana, da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, determina que Manfredini se abstenha de impedir que a dupla utilize a “marca” no exercício de atividades profissionais. A pena para um descumprimento é de R$ 50 mil.

Herdeiro de Renato Russo rebate críticas de ex-integrantes sobre o site do Legião Urbana.

“Não nos parece aceitável impedir o uso e exploração de uma marca por quem a consolidou no mercado”, escreveu o juiz em um trecho da sentença. “Por certo, os autores são ex-integrantes da banda e contribuíram durante toda a sua existência, em nível de igualdade com Renato Russo, para todo o sucesso alcançado. Assim sendo, não parece minimamente razoável que não possam fazer uso de algo que representa a consolidação de um longo e bem sucedido trabalho conjunto – reconhecido por milhões de fãs – por uma questão formal”.

“Eu acho que esse lance de cantar é um ato de coragem”, diz ator que interpreta Renato Russo em filme.

Em entrevista ao portal de notícias UOL, o advogado de Giuliano Manfredin, Luiz Edgard Montaury, afirmou: “Nós nos sentimos vitoriosos. O Giuliano nunca impediu de fato que eles não fizessem o uso da marca. Nós vamos recorrer, sim, mas somente para esclarecer os limites do que seria o uso profissional. Ele não pode se estender ao licenciamento de marcas para roupas, acessórios, ou venda de CDs, por exemplo”.

"Meu pai sempre quis que virasse um filme", diz filho de Renato Russo sobre Faroeste Caboclo.

A declaração do advogado, entretanto, vai de encontro com o que escreveu o juiz Fernando Cesar Ferreira Viana na sentença. Ele afirmou: “Verifica-se, pelo conjunto probatório dos autos, que a ré impede que os autores façam uso do nome de sua ex-banda nos documentos de fls. 171/188, embora a mesma afirme o contrário”.

Crítica – Somos Tão Jovens expõe a vida de Renato Russo antes da criação do mito.

Dado e Bonfá, em comunicado à imprensa, se pronunciaram escrevendo: “Mesmo o herdeiro tendo declarado recentemente num prestigioso programa de TV que estaria sempre disponível para conversar, o mesmo não compareceu à audiência e enviou seus representantes legais, os advogados”. O mesmo comunicado, os ex-integrantes da banda brasiliense divulgaram um vídeo produzido por um fã, se posicionando a respeito do uso do nome do grupo.

Recomendadas