Elton John veta canção para Brüno

Cantor não quis vincular "Can You Feel the Love Tonight", trilha de O Rei Leão, a novo filme se Sacha Baron Cohen, mas prometeu colaboração em outra faixa
  • Imprimir
Elton John
AP
por Da redação
17 de Junho de 2009 às 12:13

Elton John vetou a Sacha Baron Cohen o uso da faixa "Can You Feel the Love Tonight" no novo filme do comediante britânico, Brüno. Composta para o longa-metragem animado da Disney O Rei Leão, de 1994, a música serviria de trilha para uma cena na qual o personagem-título, um repórter austríaco gay interpretado por Sacha, aparece convertido em heterossexual convicto. Segundo informações cruzadas do jornal The New York Times e do site The Playlist, ambos com acesso prévio a trechos do filme, "Straight Dave", a versão "matcho" de Brüno, participa de um campeonato de luta-livre, até que alguém o chama de "bicha". Ele, então, desafia a pessoa - que se revelaria como um ex-namorado - para lutar. Uma vez atracados, os dois acabam se beijando.

A resposta de Sir Elton John foi taxativa: nem pensar. O músico, junto à companhia Walt Disney - que detém os direitos da canção mas consulta o músico para liberar direitos autorais -, refutou o pedido após tomar conhecimento das particularidades da cena. Mas o músico acabou voltando atrás, ao menos em parte, na decisão. De acordo com o NYT, ele apenas não queria se associar àquele trecho provocativo em particular - mas acabou topando participar em uma faixa-tema do filme, não anunciada.

A comunidade gay vem reagindo ao filme de formas diversas - enquanto muitos acham que o humorista pegou pesado ao fazer do jornalista de moda um estereótipo da homossexualidade, outros pensam que a visão satírica gera um efeito colateral positivo: escancarar a homofobia.

Em seu último filme, Borat - O Segundo Melhor Repórter do Glorioso País Cazaquistão Viaja à América, Cohen também usa o personagem Borat Sagdiyev, exageradamente sexista e anti-semita, para expôr o preconceito. Em uma cena, por exemplo, o repórter estrangeiro afirma que, em seu país natal, "os homossexuais são presos e enforcados" - ao que o organizador de um rodeio prontamente responde: "Queríamos que fosse assim por aqui também". Tanto Brüno como Borat foram feitos no esquema mockumentary - misto de documentário, paródia e ficção, em que nem sempre se pode distinguir as cenas encenadas das espontâneas.

A Universal, que ganhou o direito de distribuir o filme após disputa com a 20th Century Fox, parece disposta a correr o risco pelo possível desconforto do filme entre núcleos gays. Brüno custou US$ 42,5 milhões (R$ 84 mi). Borat, que consumiu US$ 18 milhões (R$ 35,5 mi), faturou US$ 262 mi (R$ 518 mi) nas bilheterias mundiais.

Movie Awards
As estratégias de divulgaçãode Brüno têm repercutido na mídia, como o episódio da "aterrissagem certeira" em Eminem no MTV Movie Awards e o processo movido por uma norte-americana, que acusa o humorista de tê-la confinado a uma cadeira de rodas por culpa de uma cena mal-sucedida.