“Estamos em um momento de mudança, o estranho é necessário”, diz Juliana Strassacapa, do Francisco, el Hombre

A banda lança o mais recente disco, Soltasbruxa, com show neste sábado, 22, em São Paulo

Gabriel Nunes Publicado em 22/10/2016, às 09h02

Francisco, El Hombre
Rodrigo Gianesi/Divulgação

“Esquecer é uma necessidade. A vida é uma lousa, em que o destino, para escrever um novo caso, precisa apagar o caso escrito.” A frase – imortalizada pela pena de Machado de Assis no conto “Verba Testamentária” – encontra respaldo nas palavras da vocalista do Francisco, el Hombre, Juliana Strassacapa, ao ser questionada sobre as inusitadas mudanças de rumo no novo trabalho da banda, Soltasbruxa.

LEIA TAMBÉM

Banda trata da violência de gênero no novo clipe

[Sobe o Som] Assista a performance de “Dicen”

[Galeria] 10 novos artistas nacionais que você deve conhecer

“O La Pachanga! [Antecessor de Soltasbruxa]? Não sei...”, hesita a cantora paulista. “Depois que a gente terminou de gravar, ele pareceu uma coisa muito inofensiva, muito agradável e fofinha demais, que não trazia questionamento e estranhamento algum. Nós estamos em um momento de mudança, em que o estranho é muito necessário.”

Lançado em 2014, o EP de seis faixas apresentou o Francisco, el Hombre como uma banda pan-americana, integrada por dois mexicanos (os irmãos Sebastián e Mateo Piracés-Ugarte) e três brasileiros (Andrei Kozyre, Juliana e Rafael Gomes), que canta a liberdade e o descompromisso de estar sempre na estrada viajando.

No entanto, para a vocalista, a realidade colorida do primeiro trabalho de estúdio não condiz mais com a imagem que o quinteto quer passar agora. Com acordes dissonantes, guitarras densas e letras que buscam incorporar uma imagem politizada ao universo lírico do grupo, Soltasbruxa surge como um contraponto ao EP. “Foi meio que uma resposta ao que a gente tinha feito antes, e o que nos representa nesse momento.”

Com influências que vão de Elza Soares a BaianaSystem, Juliana é categórica: “O mundo todo influencia a gente”. Não à toa, algumas dessas referências aparecem no registro. Gente como Apanhador Só, Salma Jô (do Carne Doce), Liniker e Os Caramelows, Larissa Baq e Zé Nigro – que também produziu o álbum – realizaram participações especiais no debute em álbum cheio.

“Antes de serem artistas incríveis, todas essas pessoas são amigos muito próximos, que a gente foi conhecendo na estrada”, declara Juliana. “De uma maneira ou de outra, fomos nos conectando tanto com os trabalhos quanto com as pessoas. Elas representam o que somos hoje.”

Além de acumularem amigos e influências no ínterim entre La Pachanga! e Soltasbruxa, o grupo se apresentou no festival cubano América Por Su Música. Graças a uma campanha de financiamento coletivo lançada no site Catarse, o Francisco, el Hombre teve a oportunidade de tocar pela primeira vez na ilha caribenha. Acompanhada por uma equipe de filmagem, a banda registrou a experiência em vídeo. O material, que é formado por entrevistas e imagens do quinteto se apresentando, possivelmente dará origem a um filme, com lançamento previsto para 2017.

“Documentamos toda a viagem, todos os momentos, cidades e shows. Foi incrível chegar em um país que está totalmente excluído do resto da sociedade capitalista”, relembra Juliana. “Eu escolhi não ter nenhuma expectativa ao chegar lá, porque eu sabia que a experiência ia superar tudo. Os cubanos são muito carinhosos, calorosos, bem próximos dos brasileiros. O povo de lá tem uma noção muito clara de quais são as verdadeiras prioridades, aquelas que vêm antes da vontade material.”

“O nível de escolaridade e a consciência social e política deles é invejável”, continua. “Eu achei uma sociedade totalmente avançada, mas se você for comparar pelos moldes capitalistas ela está um pouco aquém. Não senti que o lugar estava em desvantagem em relação ao resto mundo, mas sim ganhando em muitos outros aspectos.”

O show de lançamento do disco Soltasbruxa acontece neste sábado, 22, no Audio, em São Paulo. Na ocasião, o quinteto argentino Onda Vaga, que já abriu shows de Manu Chao na Argentina, em 2009, também se apresenta. O evento conta ainda com a discotecagem do duo ¡Venga Venga! na sequência da performance do Francisco, el Hombre.

Lançamento de Soltasbruxa em São Paulo

22 de outubro, às 22h

Audio – Av. Francisco Matarazzo, 694 – Água Branca, São Paulo

Ingressos entre R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia-entrada)