Freddie Mercury: dez canções para você lembrar por que ele foi um dos maiores cantores da história

Paulo Cavalcanti Publicado em 05/09/2017, às 15h28

Galeria - Freddie Mercury (abre)
Associated Press

“I Can Hear Music”



Em 1973, Mercury usou o pseudônimo Larry Lurex para lançar um single solo. O lado A era uma cover fiel para “I Can Hear Music”, canção que foi gravada originalmente em 1966 pelo trio The Ronettes e que, três anos depois, foi um grande sucesso para os Beach Boys.


“Goin’ Back”



O lado B do single de estreia de Mercury era uma sensível versão da canção reflexiva escrita por Carole King e Gerry Goffin. Ela já havia sido gravada pelo The Byrds e por Dusty Springfield.


“I Was Born to Love You”



Lançada como single em 1985, a canção de Mr. Bad Guy fez sucesso, e o vídeo, com uma esplêndida direção de arte, marcou época. Ele mostra Mercury cortejando uma garota (Debbie Ash) e rodopiando dentro de uma sala de espelhos.


“Living on My Own"



Em 1985, quando completou 39 anos, Mercury deu uma luxuosa e extravagante festa em Munique (Alemanha), mais especificamente em um clube chamado Henderson. Uma parte do evento recebeu registro e as imagens serviram de base para a elaboração do vídeo deste synth pop com piano jazzístico. A faixa faz parte de Mr. Bad Guy.


“Time”



Este é o tema principal de um musical que fez grande sucesso na Inglaterra durante a década de 1980. Mercury gravou o vídeo no teatro onde foi encenada a peça, com a participação de vários membros do fã-clube do Queen.


“The Great Pretender”



A regravação de Mercury para a balada que o grupo vocal The Platters havia gravado em 1959 foi outro hit para ele. Ele abusa do humor e recria trechos de outros clipes do Queen, como “I Want to Break Free”, “Radio Ga Ga” e “Bohemian Rhapsody”. O final é inesquecível, com o cantor ladeado de inúmeras imagens de papelão dele mesmo.


“Barcelona”

Mercury e Montserrat Caballé gravaram o vídeo de “Barcelona” nos estúdio Pinewood (Inglaterra). Mais de 300 figurantes foram convidados, criando um clima de pompa e extravagância. O maestro Mike Moran usou uma batuta fluorescente. A canção foi escolhida para ser o tema oficial dos Jogos Olímpicos da Espanha (1992), mas infelizmente Mercury não pode apreciar esta grande e justa honraria.


“How Can I Go On”



Esta outra faixa retirada de álbum Barcelona foi gravada no clube La Nite, na Espanha. A canção romântica que reúne Mercury e Montserrat também teve boa recepção junto às rádios.


“The Golden Boy”



Aqui, Mercury e Montserrat são vistos novamente no clube La Nite, desta vez acompanhados pela Orquestra e Coral de Barcelona e pela cantora britânica Madelline Bell.


“In My Defence”



Produzido logo após a morte do cantor, este vídeo é uma tocante homenagem que engloba a vida e obra dele. A power ballad, retirada da trilha sonora da peça Time, define todas as experiências vividas por Mercury e o que deixou para trás. Foi um hit póstumo para Mercury em 1992.