Game of Thrones: quem morreu, quem viveu e o que ficamos sabendo na sétima temporada

Batalhas épicas, alianças improváveis, relações quentes e dragões zumbis – por que esta curta temporada foi a sequência mais maluca de episódios da série até agora
  • Imprimir
por Sean T. Collins
28 de Ago. de 2017 às 12:01

Se você escolhesse uma única imagem, um momento, uma luta para resumir a sétima temporada de Game of Thrones… bom, estaria louco, sinceramente. Pode ter durado apenas sete semanas, mas esta foi a sequência mais épica de episódios na história da série, de longe suficientemente grande para a marcha de um exército de mortos. Por onde começaria?

O lugar mais óbvio seria com Daenerys Targaryen, em grande parte porque ela percorreu todo o mapa. Depois de passar anos presa nas terras distantes de Essos, acabando com o comércio de escravos enquanto seus três dragões cresciam até proporções adequadamente gigantes, finalmente voltou ao seu lar ancestral, trazendo consigo todo um exército, capitaneado por uma aliança improvável de líderes – que não sobreviveu muito depois de sua chegada à fortaleza da ilha de Dragonstone.

Game of Thrones: segredos e corpos são desnudados e os mortos caminham entre nós – um tremendo final de temporada

Em uma tentativa de ganhar a guerra pelo Trono de Ferro por meios convencionais, ela alocou a frota ao sul e o exército de super soldados Imaculados ao leste. As duas missões acabaram em desastre: os navios foram esmagados pelo rei pirata Euron Greyjoy, que abduziu aliados dela para dois dos Sete Reinos e, graças a um artifício orquestrado pelos comandantes Lannister, Jaime e Bronn, a infantaria de eunucos foi levada a uma perseguição maluca. Enquanto isso, os inimigos da realeza depuseram a majestade do reino número três, Olenna “Rainha de Espinhos” Tyrell.

Apenas quando a Mãe dos Dragões finalmente colocou seus filhos – acompanhados pela inabalável cavalaria de Dothraki – contra as forças de Jaime é que ela fez algum progresso no campo de batalha. A carnificina deixou seu conselheiro, Tyrion, abalado e o irmão dele, o Regicida, pronto para se render.

Eles não foram os únicos impressionados com o poder de fogo literal à disposição. Para aumentar a mistura peculiar de personagens em Dragonstone, Jon Snow chegou com o conselheiro, Ser Davos Seaworth, a tiracolo. Ali, eles imploraram a Daenerys que os ajudassem a derrotar o exército de mortos do Rei da Noite, que se encontrava ao norte da Muralha, mas a persuasão foi difícil, até para uma mulher que voava no dorso de um lagarto cuspidor de fogo o dia inteiro (e que gostava cada vez mais do Rei do Norte). Como foi com os Lannister e os dragões, Dany precisava ver a ameaça com os próprios olhos para realmente acreditar.

Essa era a intenção do ataque ousado (ou insano, dependendo de sua perspectiva) que Jon e seus Sete Magníficos de Westeros lançaram além da Muralha no penúltimo episódio da temporada. Lorde Snow, o Cão, o agora curado Jorah Mormont, os líderes da Irmandade Beric, Dondarrion e Thoros de Myr, o líder do povo livre, Tormund Giantsbane, e o bastardo real, Gendry, foram atrás da horda zumbi para sequestrar um soldado morto-vivo como prova da ameaça existencial à espreita. Quando eles caíram na armadilha dos monstros e demoníacos generais White Walkers, Khaleesi e seus três filhos voaram para o norte para resgatá-los. Isso levou a uma das batalhas mais ansiosamente aguardadas da série: dragões versus zumbis.

Neste confronto entre gelo e fogo, os cuspidores de fogo de Dany aparentemente sairiam campeões – até o Rei da Noite enfiar uma lança no dragão chamado Viserion (o mesmo nome do irmão abusivo dela, é bom notar) e o derrubar dos céus. O golpe no que parecia ser uma arma imbatível na luta contra os mortos foi devastador. Ainda pior: o líder zumbi reviveu a criatura derrubada como um de seus servos.

Em Winterfell, a ação foi menos espetacular, mas não menos tensa. Deixada para trás para reinar na ausência de Jon, Sansa Stark percebeu que achava fácil comandar, apesar de seus vassalos incansáveis. A chegada dos irmãos mudou isso. Agora mergulhado profundamente em sua nova identidade, como vidente Corvo de Três Olhos, Bran Stark se tornou uma figura distante e perturbadora e, embora Arya tenha recebido uma acolhida relativamente mais calorosa, o treinamento dela para ser mercenária, pelos assassinos Homens Sem Rosto, logo incomodou a Dama de Winterfell. Por um bom motivo: a irmã menor começou a temporada matando cada pessoa na Casa Frey como um revide pelo Casamento Vermelho. O Norte se lembra... e está furioso.

Com o tempo, Sansa ficou convencida de que Arya estava tramando matá-la em nome de Jon e assumir o domínio do Norte até ele voltar – um pensamento paranoico alimentado, como sempre, pelo conselheiro ardiloso, Petyr “Mindinho” Baelish. Pelo menos era o que parecia. Só que a rivalidade entre irmãs, agora uma questão de jogos de poder e planos de assassinato em vez de brigas por comida, era apenas uma armação. (O irmão delas é um místico que vê tudo. Você acha que elas realmente tentariam matar uma à outra sem que ele soasse o alarme da família Stark?). As duas armaram a cena para desarmar Lorde Baelish e, neste momento, os três Stark o acusaram de traição e o executaram bem ali no salão. Este foi um jeito de tirar o sorriso do rosto dele. Talvez seja o único jeito.

Tudo isso levou ao espetacular encerramento da temporada – que amarrou não apenas a trama, mas também os temas subjacentes. No início, Sansa disse ter aprendido muito em seu período com Cersei Lannister. O final provou que isso é verdade. Assim como a Lady Stark, a Rainha dos Sete Reinos preparou um golpe elaborado, encenando uma série de discussões dramáticas e confrontos só para convencê-los de que concordaria com a trégua. Satisfeitos, Daenerys e Jon velejaram rumo ao norte para juntar as forças da humanidade em Winterfell – e no caminho, suas, ahn, “forças da humanidade” tomaram a frente quando eles finalmente transaram. Snow já tinha dito a Dany que ela era sua rainha, no sentido de que a seguiria em vez de lutar para manter sua coroa; agora, há uma boa chance de que eles reinem mesmo juntos.

No entanto, as complicações aumentaram como zumbis gigantes em uma cena da multidão nortenha. Para começo de conversa, Cersei estava mentindo: planeja afastar seu exército da aliança, amealhando qualquer ganho que conseguir na ausência das forças de Dany. Vamos esperar o próximo inverno enquanto várias facções humanas e inumanas lutam no Norte e recolhemos os cacos depois, que tal? (Essa prova foi a gota d’água para seu irmão/amante, que sai para se juntar à luta sozinho, apesar do bebê que conceberam e ainda não nasceu).

Além disso, Bran e Sam finalmente falaram a verdade sobre os pais de Jon em uma montagem (enquanto o Lorde do Norte e a Mãe dos Dragões estão na cama, veja só): ele não é filho de Ned Stark, mas sim da irmã de Lorde Eddard, Lyanna, com o falecido Príncipe Rhaegar. Assim, não é Lorde Snow; é Aegon Targaryen, herdeiro dos Sete Reinos. Não está apenas esquentando a cama de sua tia Dany – está potencialmente pronto para sentar no trono dela.

Finalmente, o Rei da Noite e seu dragão zumbi se mexem. Em uma cena tirada de uma pintura épica de Frank Frazetta, o monarca dos White Walkers e seus mortos-vivos destroem a milenar Muralha no lado leste. O exército de mortos agora começa a fluir como um rio nas terras além-muro. É esta cena – não os triunfos dos Stark, a união entre o Rei e a Rainha ou a improvável cena de amor entre os conselheiros Dany Missandei e Grey Worm – que a temporada escolheu como a última.

Voltando à nossa pergunta original: pode nos chamar de loucos, mas para uma imagem definitiva da sétima temporada de Game of Thrones, voltaríamos alguns minutos, para a despedida de Jaime de sua vida em King's Landing. Enquanto ele se afasta da cidade, a neve começa a cair, logo cobrindo os telhados vermelhos familiares e as torres imponentes da capital. O tempo comprovou sua sabedoria. Jon e Dany, Sansa e Arya, Tyrion e seu irmão mais velho, até o maldito do Cão, que passou a maior parte da temporada encontrando pessoas que um dia tentaram matá-lo – todos deixaram de lado suas diferenças pelo bem maior.

Não há como fugir da tempestade que está a caminho. Se você se importa com sua família, seus amigos, sua gente e seu mundo, tem de encarar a tempestade e o que encontrar ali. Só faltam uma temporada e seis episódios até descobrirmos o que sobra quando a neve derrete e a fumaça se dissipa.

Recomendadas