Pabllo Vittar fala sobre estereótipos de gênero no Encontro: “Não gosto de me trancar em uma caixa”

A drag queen e cantora também explicou o motivo pelo qual ela optou por um nome artístico masculino

Redação Publicado em 09/08/2017, às 13h54 - Atualizado às 14h16

Pabllo Vittar no <i>Encontro</i>

Ver Galeria
(3 imagens)

Nesta quarta, 9, Pabllo Vittar foi a convidada do programa Encontro, apresentado por Fátima Bernardes, na Globo. A cantora e drag queen falou sobre os estereótipos de gênero enfrentados pela comunidade LGBT.

Após apresentar “Sua Cara”, hit dela em parceria com Anitta e Major Lazer, a cantora conversou com Fátima. A apresentadora perguntou se ela já havia considerado um nome artístico feminino, que “combinasse com o personagem” de drag queen.

Pabllo esclareceu que “nunca senti a necessidade de optar por um nome feminino porque, quando decidi fazer drag, eu queria passar verdade através da minha arte, música, do que eu acho que sou eu. Pabllo me representa de uma forma que você não tem noção.”

“Não é Rico versus Pabllo”, diz Dalasam sobre polêmica envolvendo a música “Todo Dia”; entenda a disputa

Ela também aproveitou para completar a resposta refletindo sobre os estereótipos de gênero que são impostos: "Acho que se eu tivesse um nome feminino, não ia passar tanta verdade. Não gosto de me trancar em uma caixa. Gosto de ser afeminada, de ser isso aqui, de sair na rua às vezes de boné. Eu gosto de ser o que eu quiser ser."

Encerrando a participação no Encontro, Pabllo se juntou a Preta Gil para apresentar “Decote”, parceria entre as duas. Abaixo, assista ao lyric video do single.