Pai de Britney Spears temeu a morte da filha em 2007

Advogado revelou que James Spears ficou assustado quando visitou a cantora no hospital psiquiátrico
  • Imprimir
Britney Spears
AP
por Rolling Stone EUA
22 de Out. de 2012 às 16:26

Foram iniciadas as sessões no tribunal do processo que envolve o ex-empresário de Britney Spears e a família da cantora. James Spears, pai da artista, revelou por meio de seu advogado que temeu pela vida da filha durante a crise de 2007, segundo informou a agência Reuters. Leon Gladstone afirmou que seu cliente “estava vivendo um medo constante de que assistiria qualquer dia na TV que Britney havia morrido”.

Perfil: em 2008, depois de um período conturbado, a princesa do pop voltou ao trabalho se dizendo cada vez mais longe dos problemas.

Gladstone ainda afirmou que James Spears tentou internar sua filha em um centro de reabilitação em 2006, após a separação dela de Kevin Federline, e até convenceu em determinado momento o dançarino a buscar custódia dos dois filhos do casal. O advogado disse que o comportamento da cantora mudou após a separação de Justin Timberlake, em 2003, e que quando o pai a visitou em um hospital de Los Angeles, em 2007, a encontrou gritando enquanto presa em uma maca. “Ele estava muito assustado e pensava consigo mesmo: ‘Minha filha perdeu tudo’", disse Gladstone. "‘Aqui está ela, em um hospital psiquiátrico, fora de si.’”

O colapso de Britney em 2007 levou a duas internações psiquiátricas, à perda de custódia dos filhos e tutela vigiada pelo tribunal. Sam Lufti, o ex-empresário e confidente da cantora, a acusa de uso de drogas e pede milhões da família. A estrela, por sua vez, não deve comparecer à corte – ela ainda está sob tutela e o juiz que a supervisiona ordenou que ela não apareça para dar depoimento.