Pearl Jam, Joan Baez e Tupac são escolhidos para o Hall da Fama do Rock em 2017

Electric Light Orchestra, Yes, Journey e Nile Rodgers também serão induzidos em abril
  • Imprimir
Pearl Jam, Joan Baez e Tupac Shakur
Roberto Larroude/AP/Danny Clinch
por Andy Greene
20 de Dez. de 2016 às 14:15

O Hall da Fama do Rock anunciou oficialmente os artistas que serão induzidos no ano que vem: Pearl Jam, Tupac Shakur, Journey, Yes, Electric Light Orchestra e Joan Baez vão se juntar às turmas de 2017. Nile Rodgers, guitarrista do Chic, receberá o Prêmio de Excelência Musical.

A cerimônia de indução acontecerá no Brooklyn's Barclays Center no dia 7 de abril. Uma versão editada irá ao ar posteriormente pela HBO.

Artistas são elegíveis para o Hall da Fama do Rock 25 anos após o lançamento do primeiro álbum ou single. 2017 é o primeiro ano em que Pearl Jam e Tupac Shakur são elegíveis. Eles também são os primeiros artistas a se juntar à instituição que iniciaram a carreira nos anos 1990.

O Pearl Jam não estava disponível para conversar com a imprensa, mas em maio o guitarrista Mike McCready falou com a Rolling Stone EUA sobre a possibilidade de ser induzido. “Seria uma grande honra”, ele disse. “Eu ficaria feliz com isso. Mas você nunca sabe. Eu não sei o processo deles e como eles escolhem. Pode ser daqui alguns anos. Quer dizer, Cheap Trick demorou para entrar. Deep Purple também. Mas nós sabemos disso.”

Os gigantes do rock progressivo do Yes são indicados pela terceira vez, 26 anos depois de se tornarem elegíveis. “É um pouco como esperar pelo trem”, disse o guitarrista Steve Howe à Rolling Stone EUA. “Talvez esteja no horário e você apenas percebeu a espera. Eu não me arrependo da espera. Eu apenas sinto que esta deve ser a hora certa.”

Journey não apareceu nos indicados até este ano. “Eu meio que sinto como se já estivéssemos dentro, com os nossos fãs e a quantidade de discos que vendemos ao redor do mundo”, disse o guitarrista Neal Schon à Rolling Stone EUA. “Eu não estava esperando nada. Eu aprendi a agir dessa maneira. Se você não espera por nada e algo aparece, então é boa notícia. Eu acho que estamos todos honrados.”

A notícia veio como surpresa à Joan Baez. “Eu nunca me considerei uma artista de rock”, ela disse em comunicado. “Mas como parte do boom da música folk, que contribuiu e influenciou a revolução do rock nos anos 1960, eu estou orgulhosa por algumas músicas que eu cantei terem adentrado o dicionário do rock. Eu realmente agradeço esta honraria e reconhecimento do Hall da Fama.”

Jeff Lynne, que entrou em turnê com um Electric Light Orchestra reformado (como Jeff Lynne's E.L.O.) neste ano depois de um hiato de três décadas, também ficou entusiasmado ao receber a notícia. “Eu estou profundamente honrado por ser induzido ao Hall da Fama do Rock”, ele disse em comunicado, “e gostaria de agradecer aos fãs incríveis que nos apoiaram ao longo dos anos.”

O Prêmio de Excelência Musical de Nile Rodgers vem depois de Chic ter sido indicado 11 vezes. “É meio que agridoce”, disse Rodgers à Rolling Stone EUA. “Eu me sinto lisonjeado por eles pensarem que sou digno, mas a minha banda Chic não venceu. Eles me arrancaram da banda e disseram ‘Você é melhor que o Chic’. Isso é tolice para mim… Eu estou lisonjeado e acho que é legal, mas me sinto como se alguém tivesse me colocado em um bote salva-vidas e dito à minha família que eles não podiam entrar.”

O Hall da Fama do Rock também é conhecido por fornecer uma ocasião para que integrantes de bandas se reunam. A turma deste ano tem duas potenciais reuniões no horizonte com Journey e Yes. Journey não se apresenta em público com o cantor Steve Perry desde um show tributo em memória de Bill Graham em 1991. Schon espera que Perry suba ao palco com a banda na grande noite. “Eu ficaria surpreso se não acontecesse”, ele disse. “Mas eu vou lidar com isso de qualquer forma… Eu vou tentar falar [com Perry], como eu fiz várias vezes. E [nosso cantor atual] Arnel [Pineda] é tão cortês. Ele diz ‘A qualquer hora que ele quiser vir e fazer qualquer coisa, com muito prazer eu abrirei caminho e o deixarei cantar.’”

O empresário de Perry disse que o cantor não está disponível para entrevistas, mas liberou um curto comunicado em nome dele: “Eu sou verdadeiramente grato pelo Journey ser induzido ao Hall da Fama do Rock.” Se ele está grato o suficiente para subir ao palco com o Journey continua incerto.

Uma reunião do Yes é uma aposta mais segura. A formação atual da banda não se apresenta com o cantor original Jon Anderson e tecladista Rick Wakeman desde 2004, mas o guitarrista não se opõe à ideia de tocar com eles na noite do Hall da Fama. “Só depende de como nos sentiremos e como serão a comunicação e o espírito”, ele disse. “Tem que ser discutido e tem que ser considerado. Obviamente é uma consideração.”

Muitos integrantes já entraram e saíram da Electric Light Orchestra ao longo dos anos, mas apenas o cantor Jeff Lynne, o baterista Bev Bevan, o tecladista Richard Tandy e o multi-instrumentalista Roy Wood estão sendo induzidos. Wood deixou o grupo logo após o lançamento do primeiro álbum em 1971. Tandy manteve-se com a banda até o álbum de 1986 Balance of Power, mas entrou em uma disputa legal com Lynne nos anos 1990 pelo nome da banda. No ano passado, Lynne disse à Rolling Stone EUA que ele não fala com Bevan há 30 anos. Tandy é o único integrante da formação clássica que permanece no grupo. No momento, não está decidido se Wood e Bevan vão se apresentar com Lynne na cerimônia.