Pete Townshend chama a Apple de "vampiro digital"

Guitarrista comenta ainda a possível turnê do Who com o álbum Quadrophenia, que será relançado
  • Imprimir
Pete Townshend
Foto: AP
por Andy Greene
1 de Nov. de 2011 às 18:55

Pete Townshend se referiu à Apple como o “vampiro digital” que está fazendo com que “os artistas sangrem” e “destruindo os direitos autorais como os conhecemos” durante palestra em homenagem a John Peel (lendário radialista morto em 2004), em Salford, na Inglaterra, nesta segunda, 31. Ele atacou fãs que realizam downloads ilegais na internet, dizendo que eles “podem muito bem vir a roubar a bicicleta do meu filho... Eu me pergunto o que deu errado com a moralidade humana e justiça social”.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

O guitarrista do The Who reconheceu que é um mensageiro imperfeito para tais sentimentos. “É complicado defender o valor inato de direitos autorais de uma posição confortável como a minha", disse ele. “Uma pessoa criativa preferiria que sua música fosse roubada, mas aproveitada, do que ignorada. Trata-se de um dilema de toda alma criativa – ele ou ela preferiria passar fome e ser ouvido a comer e ser ignorado.”

Em outra notícia do Who, o grupo está lançando uma edição de luxo do disco de ópera rock Quadrophenia em 15 de novembro. Apesar de haver rumores de uma turnê do álbum no ano que vem, em uma recente entrevista para fãs, Townshend disse que a ideia ainda está no ar. “Acho que Roger [Daltrey] sente que ele está já muito velho para ser identificado como o jovem rapaz Jimmy”, escreveu. “Mas eu sempre senti que estamos meramente apresentando a história de Jimmy, contando por ele, na verdade. Roger está pensando bastante nisso enquanto roda o mundo com sua versão solo para Tommy. Eu posso ficar entediado de esperar. Mas para ser justo, Roger já ficou bastante entediado por me esperar... Ele está se divertindo, acho. Deve ser legal.”

Townshend também respondeu a uma pergunta de fã sobre se ele planejava ou não realizar novamente uma turnê solo. “Tenho 66 anos de idade”, disse. “Eu gosto de olhar para trás para quando eu era jovem e lembrar como eu trabalhava como um cachorro para que pudesse ficar tranquilo quando tivesse 66 anos. Eu talvez venha a fazer alguns shows solo, mas duvido que faria uma turnê - a não ser que esteja passando fome. Então, reze para que eu passe fome. Daí, eu farei uma turnê.”

Finalmente, perguntaram a Townshend se ele em algum momento considerou realizar uma turnê acústica em locais pequenos com Roger Daltrey, na qual eles tocariam versões de canções do Who. “Não, nunca”, contou. “Não gosto de trabalhar com o Roger desta forma, apesar de saber que os fãs gostariam. Sinto que apenas estaria acompanhando o Roger em um contexto desses porque ele gosta de tocar violão e reinterpretar minhas canções de um jeito novo acústico, da maneira dele. Eu mesmo faço isso também, claro... Mas quando estamos juntos, acho que a música pede para que seja honrada da maneira que ela nasceu, e fico inquieto quando Roger começa a se desprender de músicas como 'Who Are You' ou 'Behind Blue Eyes'. Mas apenas quando estou tentando tocar com ele. Como artista solo, ele tem o direito de fazer o que quiser.”

Em outro ponto importante, Townshend falou: “Roger e eu, apesar das nossas novas alianças e do renascimento da nossa amizade, não somos íntimos em termos de performance. Trabalhamos em níveis diferentes. Roger olha para o fundo da plateia e eu para o gargarejo. Raramente cruzamos olhares.”

Recomendadas