Sem Scarlett Johansson, Rub & Tug pode não sair do papel

Após a atriz desistir de interpretar homem transexual em filme, a produção está em uma espécie de “limbo”

Redação Publicado em 17/07/2018, às 16h21 - Atualizado às 17h26

Scarlett Johansson

Ver Galeria
(3 imagens)

Desde que Scarlett Johansson anunciou que sairia do elenco do filme Rub & Tug, o futuro da produção se tornou incerto. De acordo com o portal The Wrap, o longa pode nem chegar a ser feito.

Uma fonte interna do projeto disse que Rub & Tug está em uma espécie de “limbo” após a desistência de Scarlett e ainda não há certeza se a produtora da atriz, a These Company, continuará a produzir o filme. Por enquanto, Rupert Sanders se mantém como diretor.

Se chegar a ser rodado, Rub & Tug contará a história de Dante "Tex" Gill (personagem inicialmente interpretado por Scarlett Johansson), um homem trans que comandava casas de massagem que serviam também como prostíbulo em Pittsburgh, nos anos 1970.

Quando Scarlett foi indicada para o papel e a polêmica se iniciou, um representante da atriz encaminhou uma resposta vinda diretamente dela, em resposta a um pedido de comentário do site Bustle: “Diga que eles podem reclamar também com os empresários do Jeffrey Tambor, Jared Leto e Felicity Huffman”, atores que inclusive foram premiados pelos personagens trans que viveram.

Menos de dez dias depois do anúncio, a atriz voltou atrás e disse que não iria mais interpretar o homem transexual. De acordo com a revista Out Magazine, Scarlett declarou que “por causa das recentes questões éticas sobre minha escalação como Dante 'Tex' Gill, decidi respeitosamente me retirar do projeto”, justificando que “nossa compreensão cultural de indivíduos transgêneros continua a avançar, e aprendi muito da comunidade desde que fiz minha primeira declaração sobre o papel, e percebi que fui insensível”.

“Eu tenho uma grande admiração e amor pela comunidade trans e estou feliz com a continuidade da conversa sobre inclusão em Hollywood", completou a atriz.

No ano passado Scarlett gerou polêmica também em uma produção do diretor Rupert Sanders, por interpretar a androide Major, protagonista de A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell (2017), que seria uma mulher asiática.