Lollapalooza 2015: Inspirado, Billy Corgan promove show saudosista e emotivo com o Smashing Pumpkins

Apresentação contou com baterista do Rage Against the Machine e baixista do The Killers
  • Imprimir
por Lucas Brêda
29 de Março de 2015 às 22:49

Quando veio ao Brasil pela última vez, no Planeta Terra 2010, o Smashing Pumpkins fez uma apresentação enfadonha, que só se sustentou nos hits antigos. Ao fechar o palco Axe do Lollapalooza Brasil 2015, no domingo, 29, o líder – e único remanescente da formação original – Billy Corgan guiou a banda com inspiração e emoção, se entregando nas performances, em uma forma de redenção com o público brasileiro.

“Só estou comprometido com a ideia dessa banda até o fim deste ano”, disse Billy Corgan.

Billy Corgan vive um momento saudosista e reflexivo. Recentemente, ele pediu para ser chamado de William, criticou o modo como as pessoas ouvem música hoje em dia e até comentou sobre um possível fim do Smashing Pumpkins (“Preciso avaliar o propósito musical da banda”, disse em entrevista). Isso tudo se refletiu no mais recente disco do grupo, Monuments to an Elegy – lançado no fim do ano passado –, um dos trabalhos que mais lembram o Pumpkins clássico em anos.

O sentimento de saudade veio à tona logo na primeira faixa, “Cherub Rock” (de Siamese Dream, de 1993), tocada para uma plateia que lotava o palco bem antes do horário da apresentação. “Tonight, Tonight” e “Ava Adore” vieram depois, causando frenesi e pontuando o começo poderoso do setlist.

Veja em que posição está Mellon Collie and the Infinite Sadness na lista dos 10 maiores álbuns duplos de todos os tempos.

De Monuments to an Elegy, o Smashing Pumpkins tocou a sentimental “Being Beige”, a curiosa “Drum + Fife”, “Monuments” e a suja “One and All (We Are)”. Espalhadas no repertório, as faixas se confundem com as dos anos 1990 com sutileza – um fã mais desatento pode não ter percebido que se tratavam de amostras do novo trabalho, tamanha a semelhança.

“Não quero parecer triste. A vida tem coisas boas e ruins”, disse Corgan, em um momento de papo com o público. “Perdi minha gata, Sammy”. Sem soar abatido, contudo, o vocalista e guitarrista continuou a conversa, parabenizando o organizador do Lollapalooza, Perry Farrell, pelo aniversário dele, e lembrou: “Semana passada foi o meu aniversário. Fiz 28 anos!”

Galeria: as 15 separações mais conturbadas do rock.

O líder do Smashing Pumpkins fez 48 anos de idade e parece encarar o passar dos anos de forma reflexiva. “Vou tocar uma música do disco Siamese Dream”, anunciou, perguntando, em seguida: “Conhece este álbum, Jeff?”. Em resposta, o guitarrista brincou: “Não era nascido nessa época”. A passagem do tempo – retratada na conversa – ganhou ainda mais sentido com a performance intensa da música, “Disarm”, dos versos: “I used to be a little boy/ So old in my shoes.”

Nas faixas obrigatórios do setlist – entre elas “Stand Inside Your Love”, “1979” e a própria “Disarm” – , o Smashing Pumpkins soa catártico, em performances que puxam o coro da plateia e, inclusive, levam às lágrimas alguns fãs mais emotivos. Na versão alongada e cheia de tensão de “United States”, os integrantes casuais da banda dão as caras: o baterista Brad Wilk (Rage Against the Machine e Audioslave), com sua mão pesada, e Mark Stoermer (The Killers), com um semblante soturno e quieto no baixo.

Estrela Solitária: A tristeza infinita e a redenção improvável de Billy Corgan.

Antes de sair do palco, o Smashing Pumpkins ainda coroou o show com a clássica e raivosa “Bullet With Butterfly Wings”, unanimidade entre o público. Poucos minutos depois, entretanto, Corgan retornou acompanhado por um violão para encerrar de maneira acústica com outro hit, “Today”, que foi “atrapalhada” pelos fogos de artifício – anunciando o fim do Lollapalooza – e cantada mais pela plateia do que pelo vocalista.

Um Billy Corgan encarando a passagem do tempo e enfrentando conflitos internos determinou o andamento nostálgico de todo o show. A homogeneidade da apresentação base para atual turnê do Pumpkins pode significar um momento extremamente particular na carreira da banda, que encerrou o Lollapalooza deixando a certeza de que os anos 1990 nunca estiveram tão distantes (pelo menos para Billy Corgan).

Leia também