TIFF 2013: Scarlett Johansson é alienígena devoradora de homens no desafiador Under the Skin

Filme vai contra expectativas e apresenta um interessante conto de ficção-científica

Paulo Gadioli, de Toronto Publicado em 15/09/2013, às 14h20 - Atualizado às 16h16

Under the Skin - Scarlett Johansson
Divulgação

Scarlett Johansson tem participado de uma grande variedade de projetos nos últimos anos. Nenhum deles, porém, tão peculiar quanto Under The Skin, novo longa de Jonathan Glazer. Nele, a atriz vive uma alienígena devoradora de homens. Essa breve descrição pode parecer o suficiente para imaginar o rumo do filme, mas não passa nem perto de resumir este bizarro conto criado por Glazer.

Não se trata de uma trama de três atos, com começo, meio e fim bem definidos, mas sim de uma repetição de fatores. A mesma rotina de Laura, personagem de Scarlett, saindo para caçar em sua van nas noites frias da Escócia é apresentada diversas vezes. O que muda são os pequenos detalhes, tanto na hora da procura quanto na hora de ela se alimentar.

Utilizando-se da beleza física da pele humana que escolheu vestir, a alienígena busca por homens para levar de volta ao seu apartamento. Chegando lá, o filme entra numa atmosfera completamente diferente, com o quarto ganhando dimensões enormes, tornando-se um grande buraco negro em que a vítima segue, até a morte, o que ele acredita ser uma bela mulher.

Pontuada por uma trilha sonora hipnótica, a sensação de estranheza predomina. A nudez de Scarlett Johansson, por exemplo, não é usada de forma sensual. Ela é geralmente mostrada após uma sequência de imagens fortes e desconfortáveis, como a de um homem se afogando em um mar negro enquanto segue Johansson pelo quarto escuro.

O bem-sucedido passado de Glazer na propaganda ajuda a entender muitas das marcantes e fixantes imagens do longa. Uma delas, por exemplo, apresenta uma das vítimas tendo a parte interna de seu corpo sugada em um segundo, restando apenas uma grande quantidade de pele flutuando no vazio.

Seguindo o formato de encontro após encontro, o diretor faz, assim, com que sua personagem aos poucos tome contato com a humanidade, descobrindo-se simpática a esta raça diferente. O clímax se dá quando ela encontra um homem deformado e repensa todos os seus atos, levando às ações que garantem o interessante desfecho.

Para o bem ou para o mal, Under The Skin não é o filme fácil que parece. Scarlett Johansson mostra coragem e talento ao aceitar o desafio de participar deste projeto que acha no desconforto a forma de se tornar interessante.

Leia mais sobre a cobertura do Festival de Toronto nos links relacionados abaixo.