• Imprimir

Sepultura vive distopia tecnológica no clipe da nova “Phantom Self”

por Redação

O Sepultura vai lançar o novo disco, Machine Messiah, no próximo mês de janeiro. Nesta sexta, 23, a banda divulgou o clipe acompanhando uma das faixas do próximo trabalho, “Phantom Self”.

O vídeo se trata de uma espécie de distopia tecnológica que envolve de diversas maneiras os personagens retratados na trama. O vocalista Derrick Green, o guitarrista Andreas Kisser, o baixista Paulo Jr. e o baterista Eloy Casagrande aparecem no clipe interpretando a pesada canção.

“Phantom Self” é a segunda faixa a ser conhecida de Machine Messiah, depois de “I Am The Enemy” ter sido lançada, recentemente. O próximo disco do Sepultura sai em 13 de janeiro de 2017 pelo selo Nuclear Blast Records, sendo o primeiro álbum de inéditas do quarteto desde The Mediator between Head and Hands Must Be the Heart (2013).

“Fizemos mais ou menos como o Mediator”, disse Kisser, à Rolling Stone Brasil, sobre o processo de criação do novo álbum. “De várias ideias que eu já tinha guardadas e fomos desenvolvendo, com as ideias do Paulo e do Derrick, de arranjos e voz. “Foi até rápido, em dois ou três meses acabamos tudo. Chegamos lá com quase 90% pronto.”

O quarteto registrou Machine Messiah na Suécia (na cidade de Örebro), em maio deste ano, com o produtor Jens Bogren. “O disco novo é totalmente diferente”, comentou o vocalista, falando sobre a abordagem mais detalhada, com presença de arranjos orquestrais e um violinista tunisiano. “Essa é a proposta do Sepultura, sempre fazer diferente. E isso acontece muito naturalmente.”

Kisser também apontou que o novo disco foi pensado “como se fosse um vinil”. “Isso ajudou muito”, comentou. “Pensamos no que entraria no ‘lado A’ ou ‘lado B’, qual fecharia, qual abriria. Nós trabalhamos no conceito de álbum mesmo. Apesar de não ser um álbum conceitual, ele tem uma história.”

O nome, Machine Messiah, adianta um pouco do “conceito” citado por Kisser. “Não é uma coisa de ficção científica futurista”, explicou. “É uma coisa de hoje mesmo, das coisas que a gente usa [apontou um celular], Google Glasses, GPS”. O guitarrista acabou brincando, referindo-se à série da Netflix: “É bem isso [Black Mirror] mesmo.”

ÚLTIMOS VÍDEOS