As 10 melhores canções de Rod Stewart, segundo os leitores da Rolling Stone EUA

Redação Publicado em 13/10/2015, às 16h29 - Atualizado às 18h35

galeria rod stewart abre
AP

1. “Maggie May”

Em 1961, o jovem Rod Stewart foi ao Beaulieu Jazz Festival com alguns amigos. No evento, conheceu uma mulher mais velha que tirou a virgindade do artista. “O quanto mais velha, não sei dizer”, escreveu o músico em 2012. “Mas velha o suficiente para ter ficado desapontada com a experiência”. A memória virou música uma década mais tarde, quando Stewart contou uma versão ficcional do encontro em "Maggie May".


2. “Mandolin Wind”

A doce canção de amor do álbum Every Picture Tells a Story (1971) nunca foi lançada como single, além de ter sido eclipsada pelos hits do próprio Stewart e Faces. Olhando para o passado, fica claro que essa é uma das melhores músicas daquela época.


3. “Reason to Believe”

Rod Stewart lançou a própria versão de "Reason to Believe", de Tim Hardin, como um single em 1971. No entanto, os DJs da época preferiam o lado b do disco, uma canção sobre o relacionamento com uma mulher chamada Maggie. De qualquer forma, “Reason to Believe” não recebeu a devida atenção até o lançamento do MTV Unplugged (1993).


4. "The Killing of Georgie"

O movimento pelos diretos da população LGBT ainda engatinhava em 1976, ano no qual Rod Stewart lançou "The Killing of Georgie". Poucos foram os nomes do mercado mainstream que escreveram músicas sobre o tema, mas Stewart tinha um empresário e um publicitário gays e queria escrever sobre a luta deles. A faixa é sobre um homem homossexual expulso de casa pelos pais. Ele encontra a comunidade gay em Nova York, mas acaba morto após um show da Broadway.


5. “Hot Legs”

Algumas canções possuem significados que demoram anos para serem entendidos. E há faixas como “Hot Legs”, na qual basicamente tudo que interessa sobre ela está no título. A faixa fala a respeito de uma mulher com belas pernas que aparece às 3h45 da manhã para fazer sexo com Rod Stewart.


6. “Sailing”

A canção de 1975 , escrita por Gavin Sutherland, foi um enorme sucesso na Europa, vendendo mais de um milhão de cópias apenas na Inglaterra. No entanto, nos EUA, o hit não emplacou. Por causa disso, “Sailing” é raramente apresentada por lá. Quando é reproduzida em shows em outros continentes, ela é sempre ovacionada.


7. “You're in My Heart”

Rod Stewart foi dono do rádio no fim dos anos 1970. Ele era uma máquina de singles dos mais diversos estilos. Esta gentil homenagem a uma dama com sotaque holandês conquistou a quarta colocação na lista das 100 canções mais tocadas em 1978. Em “You're in My Heart”, Stewart canta sobre a namorada Brett Ekland, declarando amor a ela, apesar de revelar que a “atração era puramente física”. Eles terminaram cerca de um ano depois.


8. “I Was Only Joking”

“I Was Only Joking” foi lançada em 1997 e se tornou uma canção “lado b” do sucesso “Hot Legs”, mostrando a fatia vulnerável das relações do cantor. A faixa se tornou um sucesso, convencendo a amada de Stewart de que ele estava “apenas brincando”.


9. “The First Cut Is the Deepest”

O jovem Cat Stevens escreveu “The First Cut Is the Deepest" em 1965 e viu o cantor de soul P.P. Arnold transformar a canção em um hit dois anos depois. Uma década mais tarde, Rod Stewart lançou a própria versão do sucesso. A faixa ainda ganhou uma outra interpretação em 2003, dessa vez, na voz de Sheryl Crow.


10. “Young Turks”

No início do século 20, os Young Turks se revoltaram contra a monarquia turca, inaugurando a Segunda Era Constitucional, um importante momento da história do país. A canção de Rod Stewart, lançada em 1981, não tem nenhuma citação ao grupo político, o que gerou certa confusão ao longo dos anos. O lançamento de “Young Turks” também foi um momento crucial para a carreira do britânico, que se consolidou como um hitmaker e não como um músico da década de 1970 que tentava se adaptar ao moderno.